Site do Ministério da Saúde sofre ciberataque do Irã

Um grupo de hackers do Irã realizou um ataque cibernético ao site do Ministério da Saúde, no domingo, restringindo intermitentemente o acesso por usuários do exterior, embora os de Israel continuassem a acessá-lo.

O grupo pró-iraniano Al-Tahira reivindicou a responsabilidade pelo ataque DDoS (negação de serviço distribuído), que interrompe o tráfego normal de um site sobrecarregando o alvo ou sua infraestrutura circundante com uma inundação de tráfego na Internet.

O mesmo grupo alegou na quinta-feira que invadiu o site da prefeitura de Jerusalém e o site da estatal Rafael Advanced Defense Systems. Na segunda-feira, o grupo pró-iraniano também fez o site da prefeitura de Tel Aviv cair da mesma maneira.

Uma mensagem no canal Telegram do grupo de hackers dizia: “Em nome de Deus, Moisés e Maomé, as ações de Shahid Abu Sayif al-Gharawi começaram”.

“O bombardeio contínuo da Faixa de Gaza e a recusa de remessa de medicamentos para os territórios palestinos, o cerco econômico do Irã e a obstrução da chegada de tratamentos e vacinas COVID levaram a milhares de mortes, e agora você está contra a Rússia por um regime capitalista nazista na Ucrânia. Tudo isso levará à sua queda. Agora nosso foco está em você”.

LEIA TAMBÉM

Com o ataque ao site, não foi possível para os israelenses que retornavam do exterior preencher o “formulário de entrada para Israel” conforme exigido.

As companhias aéreas foram atualizadas sobre o mau funcionamento e foram instruídas a permitir que os passageiros para Israel embarcassem sem este formulário.

Fontes: Ynet e Israel National News
Foto: Canva