Ataque cibernético derruba sites do governo

Vários sites do governo israelense caíram na noite passada, no que as autoridades suspeitam ter sido um ataque perpetrado por hackers iranianos.

De acordo com uma reportagem do Haaretz, um estado de emergência foi declarado dentro do sistema de defesa e a sede nacional cibernética foi encarregada de determinar a extensão dos danos à segurança de Israel.

Entre os sites do governo atingidos durante o ataque estavam o do Ministério do Interior, Ministério da Saúde, Ministério da Justiça, Ministério do Bem-Estar, bem como o do Gabinete do Primeiro-Ministro. A operação foi retomada após mais de uma hora.

“Nas últimas horas, foi identificado um ataque de negação de serviço em um provedor de comunicações. Como resultado desse ataque, o acesso a vários sites, incluindo sites governamentais, foi negado por um curto período de tempo. Todos os sites voltaram à capacidade total”, dizia um comunicado do sistema nacional de defesa cibernética.

Uma fonte do Departamento de Defesa o chamou de o maior ataque cibernético realizado contra Israel até hoje. No momento, uma grande organização ou um estado inimigo são os prováveis ​​suspeitos do ataque. A Unidade de Defesa Cibernética está auxiliando na investigação.

O Ministro das Comunicações, Yoaz Handel, também está realizando uma avaliação detalhada da situação.

LEIA TAMBÉM

Enquanto isso, a televisão estatal iraniana informou na noite passada que uma célula recrutada por Israel tentou sabotar centrífugas na instalação nuclear subterrânea de Fordow, perto da cidade de Qom, no sul do país. A instalação é um dos principais locais do programa de enriquecimento de urânio do Irã.

De acordo com a reportagem da TV iraniana, os membros da célula foram detidos pelos serviços de segurança do Irã.

Na noite de sábado, 12 mísseis teriam sido lançados do Irã em direção ao consulado americano em Erbil, no norte do Iraque.

Não houve vítimas ou danos a instalações de propriedade dos EUA na área, mas um porta-voz do Departamento de Estado chamou de “provocação escandalosa”.

O canal saudita Al-Hadath afirmou que o ataque foi lançado em retaliação pela morte de dois oficiais da Guarda Revolucionária em um ataque aéreo à Síria atribuído a Israel.

Uma reportagem na TV oficial iraniana alegou que a tentativa de ataque tinha como alvo “bases secretas israelenses” no Iraque.

Fonte: Israel National News