Travessia Erez reabre após duas semanas

A travessia de Erez para a Faixa de Gaza reabriu neste domingo, quase duas semanas depois de ser fechada, atraindo críticas e elogios de legisladores israelenses.

Manter a passagem aberta “será possível de acordo com as avaliações situacionais e a preservação da estabilidade da segurança”, disse o COGAT, órgão do Ministério da Defesa que faz a ligação militar de Israel com os palestinos, em comunicado.

A reabertura da travessia permitirá que 12.000 palestinos da Faixa de Gaza, governado pelo Hamas, que possuem permissões de trabalho israelenses entrem novamente em Israel.

Um relatório recente do Banco Mundial informou que a taxa de desemprego em Gaza, onde vivem cerca de 2,3 milhões de pessoas, era de quase 48%, com o trabalho em Israel sendo vital para a economia local.

Falando à Rádio do Exército na manhã de domingo, o ministro da Justiça Gideon Sa’ar condenou a decisão, argumentando que Israel “deveria manter as coisas que pode alavancar contra o Hamas”.

A Faixa de Gaza, ele argumentou, “é uma indústria de oposição a Israel e, no que nos diz respeito, tem um endereço, o governante de Gaza, o Hamas”.

LEIA TAMBÉM

Ele acrescentou: “Se permitirmos ao governante do Hamas, Yahya Sinwar, condições especiais enquanto ele provoca, isso seria um grande erro. Precisamos mudar a equação”.

No sábado, Sa’ar disse: “Sinwar e Hamas, que estão engajados sem parar em terror e incitação, devem ser removidos de sua zona de conforto”.

“Renovar a entrada de trabalhadores de Gaza em Israel neste momento não é justificado ou correto”, disse ele sobre a decisão.

O ministro da Habitação e Construção, Ze’ev Elkin, do partido de direita Nova Esperança de Sa’ar e, como ele, membro do gabinete de segurança de alto nível, ecoou suas observações.

“Agora, especificamente, a reabertura da Passagem de Erez Crossing”, disse Elkin à Rádio do Exército no domingo. “Mesmo que o Hamas não seja responsável por todos os ataques terroristas realizados recentemente, ele, definitivamente, os encoraja”.

“A atividade realizada por nossas forças de segurança, que impede muitos dos ataques, é o que os impedirá. Então, acho que também em termos de segurança, seria melhor esperar”, acrescentou Elkin.

O ministro da Cooperação Regional, Esawi Frej, por outro lado, saudou a medida, alegando que aliviará as tensões com os palestinos.

“[Reabrir a Passagem de Erez] é um passo sábio e certo que promoverá a paz e a segurança”, disse o legislador, membro do partido de esquerda Meretz.

Erez está fechada desde 3 de maio, quando Israel fechou as passagens para Gaza e Cisjordânia durante o Dia da Memória e o Dia da Independência. Deveria reabrir em 6 de maio, mas Israel a manteve fechada após o ataque terrorista em Elad, no Dia da Independência.

“Que todos que tenham um rifle, preparem-no. E se você não tiver um rifle, prepare seu cutelo ou um machado ou uma faca”, disse Sinwar na época. Após o ataque, autoridades israelenses teriam alertado Sinwar que ele poderia enfrentar retaliação se continuasse com sua incitação.

Israel revogou recentemente as permissões de entrada de mais de 1.100 palestinos cujos parentes estiveram envolvidos em ataques terroristas, incluindo vários ataques mortais recentes.

“Qualquer palestino que pense em escolher o caminho do terror deve saber que o ataque que ele cometer prejudicará criticamente sua família”, disse um funcionário citado pela mídia hebraica na semana passada.

“Israel possui algumas ferramentas civis para lidar com questões de segurança”, disse outro funcionário. “Podemos ver famílias expressando sua raiva contra os terroristas à luz das autorizações sendo revogadas”.

Fonte: The Times of Israel
Foto: Zero0000, Domínio Público (Wikimedia Commons)

One thought on “Travessia Erez reabre após duas semanas

Fechado para comentários.