IsraelNotícias

Ativistas se reúnem para apoiar a reforma judicial

Milhares de apoiadores da legislação de reforma judicial começaram a se reunir na Rua Kaplan, em Tel Aviv, para uma manifestação paralela à esperada aprovação do projeto de lei para alterar o padrão de razoabilidade em sua segunda e terceira leituras na Knesset.

A mensagem dos manifestantes aos membros da coalizão na Knesset: “A nação está com vocês, completem a legislação. 64 assentos não são cidadãos de segunda classe”.

Entre os palestrantes esperados estão os ministros Bezalel Smotrich, Amichai Chikli, Yoav Kisch, Dudi Amsalem, o deputado Avichai Boaron, a Prof. Talia Einhorn, o apresentador de TV Kinneret Barashi, o advogado Eran Ben-Ari, o jornalista Hadar Miller, o presidente da Im Tirtzu, Matan Peleg, e o presidente da iniciativa Tekuma 2023, Berale Crombie.

Alguns dos ministros e deputados falarão por videoconferência desde a Knesset por medo de que a oposição tente prosseguir com a votação sem eles.

A marcha ocorre no contexto dos apelos crescentes para recusar o serviço de reserva devido à legislação de reforma judicial. Entre os manifestantes estarão soldados, pilotos, pessoal de inteligência e ex-comandantes das várias unidades das FDI.

Depois de pousar em Israel, o presidente Isaac Herzog seguiu para o Sheba Medical Center em Ramat Gan, onde o primeiro-ministro Benjamin Netanyahu está se recuperando após a instalação de um marca-passo durante a noite.

LEIA TAMBÉM

Herzog disse que estava fazendo um esforço de última hora para promover negociações entre a coalizão e a oposição, com o objetivo de chegar a um pacote consensual de reforma judicial.

O gabinete de Herzog descreveu como uma “reunião urgente” para discutir um acordo com a oposição sobre o pacote de revisão judicial da coalizão. “Este é um momento de emergência. Um acordo deve ser alcançado”, disse Herzog em um comunicado da Residência do Presidente.

Por outro lado, os líderes das principais empresas de Israel se reunirão para avaliar uma declaração de greve em protesto contra reforma judicial, informam os meios de comunicação hebraicos.

De acordo com o Canal 12, os empresários estariam adiando o anúncio para que possam determinar a posição da federação trabalhista Histadrut,

Enquanto isso, o líder da oposição, Yair Lapid, convocará uma reunião com os líderes dos demais partidos da oposição para coordenar seus próximos movimentos, de acordo com um porta-voz de Lapid, enquanto continua o debate sobre a primeira peça de legislação na revisão judicial do governo.

Fonte: Revista Bras.il a partir de Israel National News e The Times of Israel
Foto: Captura de tela (Israel National News)

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *