Gabinete aprova proposta de orçamento do estado

Depois de uma maratona de negociações durante a noite, o gabinete votou na segunda-feira para aprovar a proposta de orçamento nacional pela primeira vez em três anos. O novo orçamento irá introduzir uma série de mudanças profundas na economia e na sociedade israelense.

O primeiro-ministro Naftali Bennett deu as boas-vindas ao orçamento, cujas negociações haviam representado um grande teste para o novo governo.

“Depois de três anos de estagnação, Israel está de volta ao trabalho”, disse o premiê em um comunicado de seu gabinete.

“Peço aos membros do governo que entendam a magnitude do momento”, disse Bennett. “Após anos de abandono, esta manhã produzimos o orçamento mais ousado e focado na competitividade, o mais útil para os setores mais fracos [da sociedade] e os mais preocupados com o futuro de nossos filhos”.

O ministro das Finanças, Avigdor Liberman, disse que as reformas, que ainda precisam ser aprovadas pela Knesset, trariam mudanças tangíveis na vida de muitos.

“As reformas que aprovamos se concentram principalmente na redução do custo de vida. Investimos grandes quantias de recursos em infraestrutura, transporte e imóveis, e implementamos reformas significativas que reduzirão a burocracia, tornando mais fácil para todos em nosso dia-a-dia de negócios ou vida privada”, disse Liberman em comunicado.

LEIA TAMBÉM

Em uma decisão importante, o Ministro da Saúde Nitzan Horowitz conseguiu do Ministério das Finanças um aumento de NIS 2 bilhões (US$ 619 milhões) no financiamento dos cuidados de saúde.

O ministro da saúde vinha ameaçando votar contra o orçamento se suas reivindicações não fossem atendidas.

Horowitz já havia alertado que o sistema de saúde está “com suporte vital e precisa de uma transfusão urgente, independentemente do coronavírus. Está funcionando em modo de emergência e é impossível continuar assim”.

Além de pedir mais dinheiro, o Ministério da Saúde também teria insistido que uma reforma proposta nas importações para abrir o mercado que não incluísse cosméticos.

Outro obstáculo foi a proposta de reforma agrícola, contestada por agricultores e fornecedores de produtos frescos, bem como por alguns membros da coalizão.

Agricultores protestaram contra o plano no domingo em frente ao Ministério das Relações Exteriores, onde os ministros se reuniram para discutir o orçamento.

Outras reformas importantes incluem o aumento gradual da idade de aposentadoria das mulheres para 65 ao longo de 11 anos.

Vários ministros levantaram reservas sobre aspectos do orçamento.

A Ministra dos Transportes, Merav Michaeli, se opôs ao plano de introduzir uma taxa de congestionamento para os motoristas que entram na área de Gush Dan, no centro do país durante o horário de pico, dizendo que o transporte público ainda não está apto a compensar os motoristas que se sentirem obrigados pela taxa a deixarem seus veículos em casa, reportou o Canal 12.

A Ministra da Imigração e Absorção, Pnina Tamano-Shata, advertiu que não apoiaria o orçamento a menos que o Ministério das Finanças concordasse com sua demanda por mais financiamento para trazer imigrantes etíopes a Israel.

Após semanas de discussões, os ministros se reuniram na manhã de domingo para as negociações antes da votação.

No início da reunião, Bennett disse que o orçamento “será um marco para a estabilidade do governo”, acrescentando que permitirá aos ministros desempenhar suas funções sem a necessidade de obter favores de grupos de interesse.

“Desta vez, o orçamento não está servindo aos interesses deste ou daquele setor, mas de todo o Estado de Israel”, disse o premiê. “Este governo é livre para agir em nome do interesse geral. Estamos reduzindo a burocracia e aumentando a competição, para todos, mas principalmente para os setores mais frágeis. Aqueles que vão ganhar mais com a concorrência e preços mais baixos são os setores mais fracos”.

O orçamento de 2021-2022 (US$ 187 bilhões para 2021, US$ 173 bilhões para 2022) está sendo adiantado por Liberman, embora enfrente obstáculos significativos na Knesset antes do prazo de novembro para aprovação.

O orçamento exigirá a aprovação de todos os votos da frágil coalizão, com a oposição de um único legislador sendo capaz de derrubá-lo. A composição diversificada do novo governo liderado por Bennett – é formado por partidos de direita, de centro e de esquerda – complica o esforço.

O fracasso na aprovação de um orçamento do estado poderá significar a dissolução automática do governo.

Fonte: The Times of Israel
Foto: Emil Salman (Flash90/Pool)