Governo aprova coleta de biometria de estrangeiro

O Comitê Ministerial para Legislação aprovou, hoje, a Lei de Entrada em Israel, proposta pela da Ministra do Interior, Ayelet Shaked. A lei, que formulada junto com a Autoridade de População e Imigração, tem como objetivo prevenir casos de infiltração em Israel.

Estabelece que qualquer pessoa que entrar no país que não tenha cidadania israelense (inclusive turistas), terá coletados dados biométricos como impressões digitais e identificação facial. Os dados serão inseridos no banco de dados para verificação, quando necessário.

Shaked disse que “para um país como Israel, onde estrangeiros entram em grande escala, esta é uma ótima notícia”.

De acordo com dados da Autoridade de População e Imigração, o número de estrangeiros que entram em Israel está em um aumento consistente. Em 2017 entraram cerca de 3,2 milhões, no ano seguinte cerca de 3,7 milhões e em 2019 cerca de 4,1 milhões de pessoas.

LEIA TAMBÉM

O Ministério do Interior observou que, devido à pandemia do corona, houve uma diminuição dramática no número de estrangeiros em 2020.No entanto, o ministério estima que o fluxo será retomado após o retorno à rotina.

Antes de sua aprovação, a ministra Shaked disse que estava determinada a aprovar a lei, que acreditava, seria aprovada sem objeções. “Essa é uma lei importante. Com sua aprovação, Israel entrará na lista dos países ocidentais, principalmente os Estados Unidos, que exigem identificação biométrica de estrangeiros. A lei permitirá o controle sobre os estrangeiros cuja entrada não seja para fins legítimos, como residência e trabalho ilegais, assentamento ilegal e imigração, atividade criminosa e atividade terrorista”.

Devido ao medo de invasão de privacidade, a lei inclui seções que evitarão isso. As informações, de acordo com o projeto de lei, não serão divulgadas automaticamente à polícia e ao Shabak (שירות הביטחון הכללי) – Sherut haBitachon Haklali (oficialmente, Agência de Segurança de Israel e comumente referida como Shin Bet), a menos que eles o solicitem.

Fonte: Ynet
Imagem: ar130405 (Pixabay)