Balad e Chiki poderão concorrer às eleições

O Supremo Tribunal anulou no domingo as decisões do comitê eleitoral contra o partido nacionalista árabe Balad e o ex-deputado pelo Yamina, Amichai Chikli, permitindo que eles concorram nas próximas eleições.

O recurso do Balad foi apresentado depois que o Comitê Central de Eleições votou na quinta-feira a favor do impedimento do partido de concorrer às próximas, aceitando uma petição que alegava que a plataforma do partido negava a existência do Estado de Israel.

O Balad e vários de seus legisladores foram desqualificados por comitês eleitorais anteriores e, até agora, haviam ganhado todos os recursos na Suprema Corte para serem reintegrados.

Desta vez não foi diferente, com todos os nove juízes decidindo que o partido pode concorrer.

Durante o debate, os juízes expressaram duras críticas à decisão do comitê eleitoral.

“Há um pedido superficial aqui, sem provas. A questão de desqualificar um partido é muito séria” para esse tipo de decisão, disse a juíza Anat Baron.

De acordo com as pesquisas, o partido árabe Balad não deve ultrapassar o limite eleitoral de 3,25% para entrar na próxima Knesset.

LEIA TAMBÉM

Os juízes também anularam por unanimidade a decisão do comitê eleitoral contra Chikli, que havia argumentado que ele não havia deixado a Knesset em tempo hábil após ser deposto de seu antigo partido, Yamina, e, portanto, foi desqualificado para concorrer.

Chikli e o Likud consideraram sua desqualificação um erro jurídico.

Em seu recurso, Chikli e o Likud escreveram que “o direito constitucional básico de votar e ser eleito” foi violado por sua desqualificação, um princípio básico sobre o qual o Supremo Tribunal avalia a desqualificação de um candidato ou partido na corrida eleitoral.

A principal alegação é que Chikli e o Likud confiaram em um acordo apoiado pelo Tribunal Distrital de Jerusalém que o considerou elegível para concorrer com o partido.

O líder do Likud, Benjamin Netanyahu, disse que, se eleito primeiro-ministro, usaria seu arbítrio para fazer de Chikli um ministro se o tribunal rejeitasse a petição do Likud para colocá-lo de volta na lista do partido .

Embora Chikli tenha entrado na Knesset apenas em 2021 com o Yamina, ele rapidamente causou impacto ao romper com o partido em protesto contra a grande coalizão que estava formando. Ao fazê-lo, Chikli tornou-se um símbolo da oposição de direita ao governo atual.

Um segundo desertor de Yamina, Idit Silman, também recebeu um lugar reservado na lista do Likud. O Comitê Central de Eleições rejeitou as petições para desqualificar Silman, e sua candidatura ainda está ativa. O Tribunal Superior também rejeitou uma petição para impedi-la.

Fonte: The Times of Israel
Fotos: Wikimedia Commons

One thought on “Balad e Chiki poderão concorrer às eleições

Fechado para comentários.