Liberman quer desqualificar Balad das eleições

O partido Yisrael Beytenu, do ministro das Finanças, Avigdor Liberman, apresentou, neste domingo, uma petição ao Comitê Central de Eleições, em um movimento inicial para buscar a desqualificação do líder do Balad, Sami Abou Shehadeh, de concorrer nas eleições de 1º de novembro.

A carta pedia aos membros do Comitê que colocassem seus nomes na petição contra Abou Shehadesh. Um pedido formal de desqualificação exigiria a aprovação de pelo menos um terço dos 34 membros do comitê eleitoral.

O partido Yisrael Beytenu disse que Abou Shahadeh “deve estar fora da Knesset israelense. “Aquele que nega a existência do Estado de Israel e não o reconhece como um Estado judeu e democrático não é digno de fazer parte da Knesset, É apropriado que ele faça parte do parlamento em Ramallah, esse é o seu lugar”.

O pedido foi apresentado nos termos do artigo 7A da Lei Básica da Knesset, que estabelece que a candidatura de um membro do parlamento deve ser desqualificada se suas ações ou declarações tiverem o efeito de negar a existência do Estado de Israel como judeu e Estado democrático, incitando o racismo ou apoiando uma luta armada de um Estado inimigo ou de uma organização terrorista contra o Estado de Israel.

A petição foi inicialmente assinada pelos representantes de Yisrael Beytenu no Comitê Central de Eleições, deputados Limor Magen Telem e Roman Gervitz.

A presidente do partido Meretz, membro da Knesset, Michal Rozin, já disse que seu partido se oporia a esse pedido.

Respondendo à petição, o Balad disse que era “uma tentativa de silenciar a voz política intransigente” de Abou Shehadeh.

LEIA TAMBÉM

Abou Shahadeh disse à Rádio do Exército que acredita que Liberman fez o movimento para atrair manchetes enquanto seu próprio partido de direita paira perto do limiar eleitoral, de acordo com pesquisas recentes.

“Não estou interessado neste homem violento – Liberman, que apoia a transferência de cidadãos árabes de Israel… Liberman não está longe do limiar eleitoral e, portanto, está tentando atrair eleitores extremistas”, disse Abou Shahadeh.

O Balad se separou do Hadash e Ta’al, os outros dois partidos que compõem a Lista Conjunta, na quinta-feira, em um movimento que ameaça derrubar o status quo político, antes das eleições de 1º de novembro.

Em eleições anteriores, o Likud solicitou ao Comitê Central de Eleições a desqualificação de membros do Balad e do partido como um todo, argumentando que o partido nacionalista árabe e antissionista e seus representantes incitam o terrorismo. Em cada um desses casos, porém, o Supremo Tribunal de Justiça decidiu contra o Likud e outros aliados de direita que apresentaram as petições.

No entanto, um coponente do bloco de partidos pró-Netanyahu disse ao Ynet que o presidente do Likud agora prefere que Balad seja autorizado a concorrer para que possa fragmentar ainda mais o eleitorado árabe.

Fonte: The Times of Israel
Fotos (montagem): Wikimedia Commons

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.