Gantz diz que Lapid não poderá liderar próximo governo

O ministro da Defesa, Benny Gantz, lançou a campanha eleitoral de seu recém-renomeado Partido da Unidade Nacional e minimizou a candidatura do primeiro-ministro Yair Lapid, dizendo que ele é a única alternativa ao retorno do líder do Likud, Benjamin Netanyahu, ou à outra eleição.

“Existem três alternativas: Bibi formará um governo extremista kahanista que destruirá a democracia israelense como a conhecemos; iremos para outra eleição, que continuará a dilacerar a nação; ou formarei um governo de unidade nacional estável”, disse Gantz em seu evento de lançamento de campanha em Tel Aviv.

O líder da Unidade Nacional é visto como uma possível terceira opção depois de Netanyahu e Lapid, e seu partido está atualmente com 12 a 14 cadeiras nas pesquisas para a próxima Knesset, atrás do Likud e do Yesh Atid, de Lapid.

Enquanto o bloco religioso de direita liderado por Netanyahu está à frente do atual bloco do governo, nem Netanyahu, Gantz ou Lapid têm um caminho certo para o poder, exceto por uma demonstração eleitoral decisiva ou mudanças nos atuais blocos políticos. Gantz e seu partido estão se posicionando como potenciais pedras angulares de um governo de unidade que inclui os atuais membros da oposição.

“A única opção de liderança que conseguirá realizar as alianças políticas necessárias é o Partido da Unidade Nacional”, disse Gantz.

Mesmo antes de o governo cair, no final de junho, Gantz estaria conversando com partidos ultraortodoxos para tentar um possível governo alternativo que incluísse seu apoio. O líder do partido Judaísmo da Torá Unida (UTJ), Moshe Gafni, elogiou o caráter de Gantz no passado, mas na terça-feira reiterou que ele só planeja formar um governo com Netanyahu e a direita política.

“Estou indo com Netanyahu e com a direita, sempre fui com a direita e isso vai continuar”, disse Gafni em uma conferência em Jerusalém. O líder da UTJ chamou qualquer “relato que diga que estou indo com Gantz e Sa’ar” uma forma de calúnia.

LEIA TAMBÉM

Gantz dirigiu-se ao público ultraortodoxo, na terça-feira, e disse que “somente um governo centrista saberá como preservar o judaísmo e responder às suas necessidades, como parte das necessidades da sociedade israelense como um todo”. Ele também fez apelos aos árabes, religiosos sionistas e linhas tradicionais do mapa político de Israel, prometendo fornecer segurança e estabilidade, e abordar o custo de vida.

A Unidade Nacional foi formada no início deste verão, quando o partido centrista Azul e Branco, de Gantz, se uniu ao partido de direita Nova Esperança, liderado pelo ministro da Justiça Gideon Sa’ar.

O parceiro de Gantz, Gideon Sa’ar, ecoou na terça-feira a mensagem de que “somente Benny Gantz, como líder do Partido da Unidade Nacional, pode tirar Israel e o sistema político desta crise e unir Israel”, e que “Bibi e Lapid não podem unir Israel”.

A Unidade Nacional é uma fusão do Azul e Branco de Gantz com a Nova Esperança de Sa’ar. A influência de Sa’ar foi sentida na lista de candidatos do partido, que tirou vários legisladores da disputa do Knesset para fundir as chapas.

Atrás de Gantz, Sa’ar e o ex-chefe do Estado Maior das FDI, Gadi Eisenkot, no terceiro lugar, os oito primeiros lugares da lista alternam entre políticos Azul e Branco e Nova Esperança, com o ex-ministro do Yamina Matan Kahana na nona vaga.

Os ministros Pnina Tamano-Shata (Azul e Branco), Yifat Shasha-Biton (Nova Esperança), Chili Tropper (Azul e Branco) e Ze’ev Elkin (Nova Esperança) estão nas posições quatro a sete, com o deputado Michael Biton (Azul e Branco) em oitavo lugar, na frente de Kahana.

A ministra Orit Farkash-Hacohen (Azul e Branco) no 10º lugar reinicia a lista alternada, seguido por Sharren Haskel (Nova Esperança), Alon Schuster (Azul e Branco), Michel Buskila (Nova Esperança) e Eitan Ginzburg (Azul e Branco) no 14º lugar.

Entre os outros legisladores atuais retirados de posições realistas pelo novo partido estão o ambientalista Alon Tal, do Azul e Branco, que foi empurrado para a 24a posição, e a ex-Yamina Shirly Pinto, que deixou seu partido para ocupar o 23º lugar na lista da Unidade Nacional.

Ativistas ambientalistas que protestavam para trazer Tal para um dos 10 primeiros lugares da lista foram escoltados para fora do evento de campanha por interromper os comentários de Gantz.

Os dois candidatos drusos da lista também ocupam posições com poucas chances reais, com Akram Hasson em 16º e Mufid Mari em 19º.

Fonte: The Times of Israel
Foto: Canva e Wikimedia

One thought on “Gantz diz que Lapid não poderá liderar próximo governo

Fechado para comentários.