Gantz e Sa’ar negociam fusão de seus partidos

Benny Gantz, do Azul e Branco e Gideon Sa’ar, do Nova Esperança, estão prestes a fundir seus partidos antes das próximas eleições em 1º de novembro.

Um novo passo foi dados na semana passada e um anúncio oficial da fusão é esperado em breve, informou o Canal 12.

O Nova Esperança receberá cerca de um terço dos assentos do novo partido, contra dois terços de Azul e Branco.

Sa’ar ficará em segundo lugar na lista, a ministro da Educação, Yifat Shasha Bitton, ficará em quinto lugar e o ministro da Construção e Habitação Zeev Elkin será o sétimo lugar na lista, segundo a reportagem. O ministro das Comunicações, Yoaz Hendel, não estará na lista.

Além disso, comentários recentes indicaram que o ex-chefe de gabinete das FDI, Gadi Eisenkot, está considerando concorrer nas próximas eleições e está debatendo se deve se juntar ao Yesh Atid ou ao Azul e Branco.

Se ele se juntar ao novo partido de Gantz-Saar, ele será colocado em segundo ou terceiro na lista e poderá receber mais algumas vagas para preencher com pessoas de sua escolha.

Não está claro se o vice-ministro de Assuntos Religiosos, Matan Kahana, do Yamina, que supostamente estava procurando ingressar em um partido diferente, se juntará à lista e, em caso afirmativo, em qual vaga.

Em uma pesquisa do Canal 12 realizada há dez dias, tal fusão daria ao partido 15 assentos, tornando-o o terceiro maior, depois do Likud e do Yesh Atid.

LEIA TAMBÉM

Elkin negava que o Nova Esperança se fundisse com qualquer outro partido até duas semanas atrás.

O pensamento de Gantz é que, se ele conseguir entre 12 e 15 cadeiras, poderá ser o negociador após a próxima eleição e, potencialmente, se tornar o primeiro-ministro.

Isso seria relevante se o líder do Likud, Benjamin Netanyahu, não conseguir 61 assentos e Lapid também não tiver uma coalizão. Nesse caso, Gantz pode potencialmente jogar os dois lados um contra o outro.

Por um lado, ele pode dizer ao eleitorado de Israel que, ao ingressar em uma coalizão com Netanyahu, estará impedindo uma sexta eleição, como fez Bennett ao se juntar a Lapid, e que poderá impedir que pessoas como o deputado Itamar Ben-Gvir se tornem ministros. Nesse caso, Gantz poderia justificar a decisão de se juntar novamente a Netanyahu e também poderia exigir e receber o direito de ocupar o cargo primeiro em uma rotação de primeiro-ministro.

O Nova Esperança se recusou a responder oficialmente a uma pergunta sobre a matéria, embora a deputada Sharren Haskel tenha dito que “esta não é uma fusão saudável para o partido, temos diferentes posições ideológicas e teremos menos votos se for aprovado”, durante uma entrevista à Rádio do Exército.

O Azul e Branco também se recusou a responder.

Fonte: The Jerusalem Post
Foto: Mega 45wiki, CC BY-SA 4.0 (Wikimedia Commons)