Knesset dissolvida. Eleições em 1º de novembro

A 24ª Knesset votou pela sua dissolução, na manhã de quinta-feira, em uma votação por 92 a 0, e pela realização da próxima eleição em 1º de novembro.

Conforme os acordos de coalizão assinados em junho passado, o líder de Yesh Atid, Yair Lapid, se tornará primeiro-ministro hoje à meia-noite. As próximas eleições não terão o atual primeiro-ministro, Naftali Bennett, que anunciou, na quarta-feira, que não concorrerá.

A ministra do Interior, Ayelet Shaked, deve liderar o Partido Yamina após a saída de Bennett.

O plenário da Knesset rejeitou a proposta apresentada pelos partidos da oposição, segundo a qual as eleições deveriam ser em 25 de outubro.

Tanto o Partido Trabalhista quanto o Yisrael Beytenu deixaram o plenário e não votaram, em protesto contra a recusa da oposição em aprovar a Lei do Metrô, que estabelece uma estrutura para expandir a rede do VLT de Tel Aviv em um sistema de metrô completo.

Parlamentares de todos os partidos falaram no debate que antecedeu a votação. O deputado do Azul e Branco, Eitan Ginzburg disse que seu partido não queria dissolver a Knesset.

“Acredito que desistimos cedo demais. Eleições pela quinta vez em quatro anos não são uma coisa saudável para o país. Nós, na Knesset, criamos algo especial que não parecia possível no passado”.

LEIA TAMBÉM

“A dissolução da Knesset hoje não deveria ter acontecido”, disse a líder trabalhista Merav Michaeli. “A Knesset e o governo são bons para o Estado de Israel e deveriam ter continuado a trabalhar, mas há quem não aguente a pressão”.

“Esta dispersão nasceu no pecado e continuou no pecado de não aprovar a Lei do Metrô por causa de políticas pessoais e mesquinhas”, disse ela.

Uma pequena cerimônia para substituir Bennett por Lapid como primeiro-ministro será realizada durante a tarde no gabinete do primeiro-ministro, sem convidados ou mídia. Lapid será o primeiro-ministro interino até que um novo governo seja formado após a próxima eleição.

Minutos após as declarações de Ginzburg, o líder da oposição Benjamin Netanyahu disse que “isso é o que acontece quando você mistura um partido falso de direita e partidos de extrema esquerda, misturados com a Lista Conjunta. É isso que você obtém”.

“É exatamente disso que se trata a próxima eleição”, disse ele. “Haverá novamente um governo Lapid falido aqui, dependente da Irmandade Muçulmana em comum com os defensores do terrorismo, ou um governo nacional amplo e forte liderado por nós que devolverá orgulho, poder e esperança a Israel?”

“Lapid só pode formar um governo com a Irmandade Muçulmana e a Lista Conjunta”, disse Netanyahu.

Chamando a coalizão de “experiência fracassada”, ele afirmou que “nós somos a única alternativa. Quando vencermos as próximas eleições, nossa primeira missão será baixar os preços e restaurar a estabilidade econômica e o crescimento para todos os cidadãos israelenses – judeus, árabes, beduínos, religiosos, seculares e charedim”.

Quanto a Lapid, Netanyahu o chamou de “o ministro das Finanças mais fracassado da história do país” e disse que “em contraste, sabemos como reduzir a inflação”. Lapid foi ministro das Finanças de Netanyahu de 2013 a 2014 durante a 19ª Knesset.

O líder do Ra’am, Mansour Abbas, discordou de Netanyahu, que o chamou de apoiador do terrorismo. Netanyahu foi o primeiro a negociar com Ra’am por seu apoio e estava unindo forças com a Lista Conjunta para derrubar o governo, gritou Abbas para o chefe da oposição.

A próxima eleição será a quinta que Israel teve nos últimos três anos e meio.

Fonte: The Jerusalem Post
Foto: Haim Zach / Government Press Office (Israel), CC BY-SA 3.0 (Wikimedia Commons)

One thought on “Knesset dissolvida. Eleições em 1º de novembro

Fechado para comentários.