Bibi: “Atividades culturais no Shabat não mudarão”

Os eventos culturais realizados no Shabat que são subsidiados pelo Ministério da Cultura e Esportes, incluindo o projeto “Shabat israelense”, continuarão como de costume, anunciaram o Ministério e o Gabinete do Primeiro-Ministro em comunicado conjunto nesta segunda-feira.

Segundo o comunicado, o primeiro-ministro, Benjamin Netanyahu, e o ministro da Cultura e Esportes, Miki Zohar, esclareceram a situação em uma conversa entre os dois. Zohar afirmou que quer que a iniciativa das atividades venha das entidades financiadas e não do próprio ministério, mas o financiamento e o conteúdo da atividade não seriam prejudicados.

“Congratulo-me com o fato de que o projeto ‘Shabat israelense’ continuará a funcionar como de costume. Nem tudo é política. Às vezes, a verdade é simples: todos os israelenses, religiosos e seculares, aqueles que podem alcançar e aqueles que não podem, serão capaz de continuar a vir todos os fins de semana a mais de 100 locais históricos e museus em todo o país e se conectar com nosso patrimônio e nossa cultura”, disse o ex-ministro da Cultura e Esportes, Chili Tropper.

“Espero que o acordo seja realmente realizado e a atividade continue a ser gratuita, para que todos possam participar. Obrigado a todo o público israelense, direita e esquerda, observador do Shabat e não observador do Shabat, que uniram os braços para manter o ‘Shabat israelense”’

Miki Zohar se defendeu daqueles que o criticaram por querer paralisar eventos culturais subsidiados no Shabat durante uma entrevista na TV Kan.

“Desde a fundação do estado, existe um status quo em Israel que, infelizmente, o ministro anterior violou no ano passado e, pela primeira vez na história do Ministério da Cultura e Esportes, decidiu iniciar uma atividade que ocorre precisamente no Shabat. Isso nunca tinha acontecido”.

“Assim como nenhum órgão oficial do governo em Israel inicia uma atividade no Shabat, o Ministério da Cultura e Esportes também não iniciará uma atividade no Shabat”, disse Zohar.

LEIA TAMBÉM

Zohar explicou ainda mais suas ações em uma série de tweets, dizendo: “Então, depois da falsa mídia, aqui está a verdade como ela é. Eu nunca disse ou considerei cancelar eventos ou negar financiamento a instituições culturais que operam no Shabat. Pelo contrário, quando assumi o cargo deixei claro de forma inequívoca que preservaríamos o status quo e a liberdade dos cidadãos de Israel e, entre outras coisas, também deixei claro que não interferirei nos jogos de futebol do sábado”.

“Lamento que alguns meios de comunicação cooperem com as falsas interpretações dos partidos de oposição para assustar a população em vez de refletir a verdade”, concluiu Zohar.

O líder da oposição,  Yair Lapid, criticou os planos de Zohar e tuitou em apoio a uma das iniciativas ameaçadas por eles. “O ‘Shabat israelense’ é uma iniciativa pela unidade de Israel. Não faz mal a ninguém, respeita o Shabat, a cultura israelense e a tradição judaica. Seu cancelamento é um ataque à periferia e é uma coerção religiosa da pior espécie. Apelo ao Ministro Miki Zohar para revogar a decisão de evitar outra divisão no povo de Israel”, escreveu Lapid.

Zohar tinha anunciado o congelamento de projetos subsidiados que ocorrem no Shabat, incluindo a iniciativa “Shabat israelense”.

A iniciativa oferece entrada gratuita em vários locais históricos, museus e eventos culturais em todo o país às sextas e sábados e foi lançada, em março de 2021, sob o comando do então ministro da Cultura, Chili Tropper.

Tropper expressou preocupação com o congelamento da iniciativa israelense do Shabat, escrevendo no Facebook que “aqueles que valorizam o patrimônio e a cultura devem torná-los acessíveis a toda a sociedade israelense”.

Foto: The Jerusalem Post
Foto: Wikimedia Commons

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *