Plano de absorção de refugiados ucranianos

O Estado informou nesta segunda-feira ao Supremo Tribunal que continuará restringindo a entrada de refugiados da Ucrânia que não têm direito à Lei do Retorno e não têm parentes no país, até uma cota de 5.000 pessoas. Ressaltou que permitiria a entrada de mais 20 cidadãos ucranianos por dia no país, mesmo que o número total de participantes exceda a cota definida.

Em resposta a uma petição apresentada contra o plano de refugiados, o estado disse que desde o início da guerra na Ucrânia, cerca de 11.000 cidadãos ucranianos que não são elegíveis para a Lei do Retorno entraram em Israel. Cerca de 4.975 deles não têm parentes israelenses e entraram desde o início de março sob a cota estabelecida pelo Ministério do Interior, que era de cerca de 5.000 pessoas. De acordo com a resposta do estado, a ministra do Interior Ayelet Shaked decidiu que continuará permitindo a entrada de cidadãos ucranianos que tenham parentes israelenses sem restrições.

A resposta do estado explicou que o número de pessoas que permanecem em Israel com base na cota não é fixo, e até agora cerca de 1.500 cidadãos ucranianos que chegaram deixaram o país. Depois disso, Shaked decidiu que todos os dias mais 20 cidadãos ucranianos seriam autorizados a entrar, independentemente da cota, mesmo que menos de 20 ucranianos deixassem Israel naquele dia.

“Atualmente, estão sendo mantidos contatos com representantes ucranianos em Israel sobre vários aspectos relacionados à questão, incluindo cotas de entrada e a questão do emprego de cidadãos ucranianos que entraram em Israel desde o início da guerra”, disse o Estado ao Supremo Tribunal. O plano é para até duas semanas e será examinado no final deste período ou antes, em face do estado de guerra na Ucrânia e de acordo com a mudança das circunstâncias”.

A petição alega que o Estado violou o acordo bilateral entre os dois países, segundo o qual não há necessidade de visto para entrar na Ucrânia vindo de Israel. O Estado respondeu que a ordem “não se aplica a quem escapou da guerra na Ucrânia e queira entrar em Israel por um período que ele mesmo não possa saber sua duração. Portanto, no nosso caso não há desvio da ordem de isenção, como alegado na petição”.

LEIA TAMBÉM

O advogado Tomer Warsaw, que apresentou a petição, disse: “É lamentável descobrir que, apesar das críticas públicas, a falta de apoio ao governo e ao Comitê do Interior, apesar dos graves danos aos cidadãos israelenses e refugiados da Ucrânia, bem como grave dano ao nome de Israel no mundo, é uma posição para fechar rigidamente os céus para os cidadãos da Ucrânia, e tudo isso em violação de sua autoridade”.

Na semana passada, juízes da Suprema Corte criticaram o esquema de absorção de refugiados da Ucrânia. A presidente, Esther Hayut, perguntou ao representante do Estado, Omri Epstein, por que o Estado exigia cotas para os ucranianos que chegam a Israel. “De 24/2 (início da guerra) a 10/3 (entrada em vigor do esquema) não foram fixadas cotas. O que aconteceu em 10/3 que levou o Ministério do Interior a decidir que deveriam ser fixadas cotas? Existia alguma estatística que estabelecesse a avaliação de que as cotas devem ser fixadas?”. Epstein não respondeu. Em audiência na semana passada, ele disse que atualmente há 1.800 vagas na cota, portanto, ninguém foi prejudicado pelo esquema. “Estamos em uma situação teórica porque ainda não atingimos o limite da cota”, explicou.

Antes da audiência, o estado pediu ao Supremo Tribunal que rejeitasse a petição apresentada contra o plano, alegando que foi apresentada em nome de cidadãos não israelenses e, portanto, a lei israelense e as leis básicas não se aplicam a eles, e que ele não deve interferir nas considerações do governo nas relações exteriores do Estado.

Há cerca de duas semanas, Shaked anunciou a ampliação do plano para a absorção de refugiados ucranianos, para que seja permitida a entrada em Israel sem a restrição de que tenham parentes em Israel, em qualquer nível de proximidade. Isso aumentou significativamente o número de refugiados da Ucrânia que foram autorizados a entrar no país.

Fonte: Haaretz
Foto: Canva

One thought on “Plano de absorção de refugiados ucranianos

Fechado para comentários.