Indignação e comoção após discurso de Zelensky

Em um discurso para 129 ministros e deputados israelenses, transmitido pela TV, o presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelensky, usou a plataforma para reclamar que Israel não está fazendo o suficiente para ajudar seu país desde a invasão da Rússia.

Zelensky implorou a Israel que enviasse seu sistema de defesa antimísseis Iron Dome para proteger civis ucranianos dos ataques aéreos russos, elogiando-o como o melhor sistema de defesa antimísseis do mundo e clamando para que Israel imponha sanções às empresas russas. Ele perguntou: “Por que Israel se absteve de sanções à Rússia? Israel precisa dar respostas a essas perguntas e, depois disso, conviver com elas”.

“Estamos nos voltando para vocês e perguntando se é melhor fornecer ajuda ou mediação sem escolher um lado”, disse ele aos deputados e ministros. “Vou deixar você decidir a resposta para a pergunta, mas quero salientar que a indiferença mata”.

Criticando o primeiro-ministro Naftali Bennett, que mediou entre ele e o presidente russo Vladimir Putin, Zelensky disse que a mediação pode ser entre dois lados, mas não entre o bem e o mal.

Fontes próximas a Bennett e ao ministro do Exterior, Yair Lapid, disseram que ficaram surpresos com a crítica de Zelensky no discurso. Apesar do discurso, a mediação continuaria e Israel não forneceria armas à Ucrânia, disseram as fontes.

“Ouça a linguagem que o Kremlin usa, eles usam a terminologia do Partido Nazista. Eles chamaram isso de ‘solução final’ para a questão judaica. Você se lembra bem, tenho certeza, você nunca esquecerá”, disse Zelensky.

LEIA TAMBÉM

“Agora Moscou usa as palavras ‘solução final’ novamente em relação a nós, Ucrânia. Vemos isso em seus sites oficiais, há citações na mídia russa. Isso é o que foi dito em Moscou. Sem a guerra contra a Ucrânia, eles não poderiam garantir a solução final para sua segurança, assim como foi dito há 80 anos”, disse Zelensky.

Um funcionário do governo israelense, que falou sob condição de anonimato, chamou a comparação de “ultrajante” e disse  que “os ucranianos massacraram judeus, muitos judeus. Também havia justos entre as nações, mas a maioria massacrou judeus. Não ouse distorcer a história”.

Durante a Segunda Guerra Mundial, muitos ucranianos colaboraram com os nazistas na invasão da União Soviética e participaram de algumas das atrocidades cometidas contra o povo judeu.

O ministro das Comunicações, Yoaz Hendel, disse que, embora “aprecie o presidente ucraniano e apoie o povo ucraniano de coração e ação”, Zelensky não deveria tentar “reescrever a horrível história do Holocausto, um genocídio que foi realizado em solo ucraniano”.

O deputado Mossi Raz, do Partido Meretz da coalizão, disse que também “não gostou da comparação com o Holocausto” e que as calamidades pelas quais o povo ucraniano estava passando “não se assemelham” às vividas pelos judeus na década de 1940.

“Foi um lapso de julgamento de sua parte se ele pensou que isso atrairia os israelenses. Essa foi a parte menos poderosa de seu discurso na minha opinião”, disse ele.

“Diz-se que uma pessoa não deve ser julgada em tempos de angústia, mas se o discurso de Zelensky, o presidente judeu da Ucrânia, tivesse sido proferido em dias normais, teria sido descartado como negação limítrofe do Holocausto”, disse o deputado Yuval Steinitz, do Likud.

O deputado Simcha Rotman, do Partido Sionista Religioso, respondeu às observações de Zelensky com um comentário irônico. “Eu não falo ucraniano, mas se a tradução que ouvi estava correta, Zelensky pediu que tratássemos os ucranianos como eles nos trataram há 80 anos. Desculpe, acho que teremos que recusar seu pedido. Afinal, somos uma nação moral”, disse ele.

Por outro lado, o ministro do Exterior Yair Lapid, que condenou a invasão da Ucrânia pela Rússia em duas ocasiões distintas, agradeceu a Zelensky por falar perante o parlamento israelense, sem mencionar os comentários do presidente ucraniano sobre o Holocausto.

“Mais uma vez condeno o ataque à Ucrânia e agradeço ao presidente Zelensky por compartilhar seus sentimentos e a situação do povo ucraniano com membros da Knesset e do governo”, disse ele.

“Continuaremos a ajudar o povo ucraniano o máximo que pudermos e nunca daremos as costas à situação das pessoas que passam pelos horrores da guerra”.

One thought on “Indignação e comoção após discurso de Zelensky

Fechado para comentários.