Brevemente, eleições em Israel?

Por David S. Moran

A grave situação política em Israel só foi intensificada com a crise da pandemia mundial. Nas últimas três eleições, nenhum partido obteve a maioria que poderia lhe proporcionar a constituição de um governo e por isso teve que se basear em coalizões.

Em nenhum país democrático do Ocidente, se fez num prazo menor de um ano, três rodadas de eleições, que resultaram no impasse e o Primeiro Ministro, Benjamin Netanyahu continuou a governar, com governos interinos. O pior ocorreu depois das eleições de março deste ano. O Kachol Lavan tinha sido o partido que obteve mais votos nas eleições de setembro de 2019. Era uma união de partidos que se diziam contra corrupção e que entrariam numa coalizão, mesmo com o Likud, mas sem o Netanyahu, que está sendo processado em três supostas infrações. Em março, o Kachol Lavan que foi a segunda maior legenda e recebeu 33 cadeiras, mas traiu seus eleitores. Os líderes Beny Gantz e Gabi Ashkenazi decidiram entrar no governo do Netanyahu, promovendo uma cisão no partido. Os outros dois líderes, Yair Lapid e Moshe – Bugui – Yaalon foram para a oposição com o Partido Yesh Atid.

Desde o inicio deste governo, as coisas não andam. Netanyahu nem leva em conta a presença do Gantz e Ashkenazi. Estes baixam a cabeça, pois sabem que seu partido a cada pesquisa recebe menos votos e Gantz parece confiar na promessa assinada por Netanyahu de que, em novembro 2021,ele o substituirá.

O problema com a pandemia só piorou as coisas. Em março, na primeira onda, Netanyahu fechou o país e parece que estávamos indo num bom caminho para erradicar o coronavírus. Mas, com o passar do tempo, notou-se que não o foi e o COVID-19 voltou com forças redobradas, inclusive pela falta de obediência nos setores dos haredim (ultraortodoxos) e dos árabes-israelenses.

O governo perdeu o controle. Há mais de dois anos, Israel não tem Comissário da Policia, Diretor do Departamento de Encarceramento, Procurador Geral, o encarregado do Orçamento no Ministério da Fazenda, não tem orçamento para 2020 e nem começaram trabalhar no orçamento do ano que vem. Há algumas semanas que o Gabinete Governamental não se reúne (fato inédito na história do país). Nem mesmo as reuniões do Likud são realizadas a tempo. O ex-líder do Governo, deputado David Biton (Likud) informou: “não pretendo mais participar das reuniões do partido, se forem convocadas. Há tempo que não nos reunimos e quando há reunião as discussões não são objetivas”. (Maariv,7.10.2020).

Gantz, quando entrou no governo, alegou que era para formar um governo de reconciliação, na tentativa de unir o povo. Até hoje, após mais de meio ano, não se reuniu o Gabinete de Reconciliação. Muito pelo contrário, o governo trata de dividir e que uns acusem os outros. Mesmo quando o governo convoca reuniões para tratar do coronavírus, os ministros alegam que 70% do tempo Netanyahu dedica para solucionar e barrar as manifestações contra ele que lhe pedem demitir-se pelas acusações de corrupção. Estas devem lhe perturbar muito. O Likud até apresentou leis para que não ocorram e limitem os protestos. Na quarentena decretada, a população não pode sair a mais de 1 km de sua casa. Desta forma pensou em acabar com os protestos. Foi um tiro pela culatra. No sábado seguinte, no lugar de um protesto, em frente à residência oficial, em Jerusalém e na residência particular em Cesarea ocorreram 350 manifestações populares, de norte a sul, com dezenas de milhares de pessoas. O governo alegou que as manifestações com muitas pessoas são focos de transmissão do coronavírus. Isto foi contestado pelos médicos, pois são feitas ao ar livre, com máscaras e tentativa de guardar distância.

O Netayahu vai perdendo forças e autoridade. Ele se dirige ao povo e pede que cada um se cuide, usando a máscara, atendendo a quarentena, lavando as mãos, mas não consegue impor estas instruções lógicas à grande população haredi, que até o provoca, apesar de que parte deles é representada por seus partidos na coalizão governamental. O ex-Ministro da Saúde Yaakov Litzman (do Yahadut Hatorá – ultra ortodoxos), que neste governo é o Ministro da Habitação, já havia brigado com o Prof. Gamzu, por obrigar a população a entrar em quarentena à qual ele é contrário.

O desgosto de muitos no país, é pelas ações uniformes adotadas na luta contra o coronavírus, sendo que há áreas verdes, amarelas, marrons e vermelhas, dependendo da gravidade da situação. O governo temendo reação (que assim mesmo veio) da população de áreas mais atingidas, como as dos haredim e dos árabes-israelenses, preferiu impor as restrições a todo o país. Negócios, escolas, profissionais liberais e fábricas foram atingidos.

O pior é que mesmo aqueles que pedem ao povo para agir contra o coronavírus não respeitam as instruções do governo. A Ministra do Meio Ambiente, Gila Gamliel (Likud), reside em Tel Aviv, mas mesmo limitada, viajou com a família para passar o Yom Kipur em Tiberíades. Não só desobedecendo instruções, foi à sinagoga e lá contraiu o coronavírus. Quando detectada, mentiu ao ser interrogada, e depois anunciou que está disposta a pagar a multa. Até mesmo seus colegas do Likud criticaram-na pois com sua atitude descoberta prejudicou o partido. Até jornalistas identificados com a direita, como o renomado analista politico do Canal 12, Amit Segal, exigiu que ela renunciasse e, se não a fizesse, Netanyahu teria que demiti-la. Desnecessário dizer que nada foi feito.

A esposa do Netanyahu, Sara, agindo contra as regras, chamou um cabelereiro a sua residência para lhe fazer o cabelo. O Diretor do Shabak, Argaman, comemorou o Sucot com seus filhos, que não moram com ele.

O que até há pouco tempo ninguém ousava fazer – criticar o governo, Netanyahu, o Partido (Likud), membros do governo ou da bancada, filiados ao partido – agora o fazem. Na segunda-feira (5) Gilead Sharon (filho do General Sharon) criticou seu partido “que não permite liberdade de pensamento aos seus deputados”.

Anteontem o Ministro do Tesouro, Israel Katz, disse que é preciso adotar o método do semáforo. Isto é, adotar quarentena onde há mais contraídos com coronavírus e liberar indústrias e comércio a voltar trabalhar. Netanyahu lhe respondeu que ele esta agindo assim para colher mais popularidade. Por outro lado, o Ministro das Energias, Steinitz critica o Ministério da Saúde, inclusive o coordenador da luta contra o COVID-19, Prof. Gamzu, de não entender a pandemia. O Ministério do Tesouro contra o Ministro da Saúde, pela não abertura das escolas. Tudo isso, sem mencionar a troca de farrapos entre Netanyahu e Gantz, leva a crer que, infelizmente, eles veem que talvez até novembro, vai ser convocada nova eleição geral, com gasto enorme de dinheiro público, que já não existe.

Haveria uma solução mais barata se o Netanyahu declarasse afastamento do posto e o passasse ao Gantz, sob a alegação de querer se dedicar contra as três acusações que, infelizmente, pairam sobre ele. Até agora, Netanyahu não mostrou vontade de fazer isto. Ao contrário, ataca o Judiciário e seus advogados adiam as audiências.

Pesquisa publicada pelo Canal 12, na terça-feira (6)

Likud (Benjamin Netanyahu) – 26 deputados; Yamina (Naftali Benett) – 23; Yesh Atid (Yair Lapid) – 18; Lista Árabe Unida (Aymen Ouda) – 15; Kachol Lavan (Beny Gantz) – 9; Shas (Arie Deri) – 9; Israel Beiteinu (Avigdor Lieberman) – 8; Yahadut Hatorá (Yaacov Litzman) – 7 e Meretz (Nitzan Horovits)-5.

Foto: EPA/Abir Sultan (Reprodução de Israel Hayom)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *