Chelsea homenageia jogadores assassinados no Holocausto

Dia 27 de janeiro marca o Dia da Memória do Holocausto. Para lembrar a data, o Chelsea Football Club da Inglaterra contratou o artista britânico-israelense Solomon Souza para pintar um mural gigante de futebolistas judeus e prisioneiros de guerra britânicos.

A obra de arte está sendo pintada e exibida em uma parede do lado de fora do West Stand em Stamford Bridge e faz parte da campanha Diga Não ao Antissemitismo do Chelsea FC. É financiado pelo proprietário do clube, Roman Abramovich.

A pintura do mural de 12 x 7 metros já começou e o processo de desenvolvimento da obra de arte está sendo transmitido ao vivo neste site. O trabalho final será apresentado durante um evento para os fãs e convidados do Chelsea na quarta-feira, 15 de janeiro.

Bruce Buck, presidente do Chelsea, disse: “Milhões de pessoas foram assassinadas durante o Holocausto. À medida que a memória viva da Segunda Guerra Mundial desaparece, mais importante se torna lembrar os horrores que ocorreram para garantir que eles nunca mais possam acontecer novamente. Este ano é o 75º aniversário da libertação de Auschwitz. O Chelsea e Roman Abramovich, proprietário de nosso clube, acreditam que é crucialmente importante celebrar esse aniversário. Ao compartilhar as imagens desses três jogadores de futebol em nosso estádio, esperamos inspirar as gerações futuras a lutar sempre contra o antissemitismo, a discriminação e o racismo, onde quer que o encontrem”.

Solomon Souza cresceu em Londres e imigrou para Israel no final da adolescência. Ele se tornou conhecido por sua arte no Mercado Yehuda, em Jerusalém, onde criou mais de 250 murais, apresentando predominantemente personalidades famosas de Israel e de países árabes. Solomon é neto do artista FN Souza, cujas obras são exibidas em muitos museus e galerias de destaque em Londres, incluindo o V&A, o British Museum e o Tate Modern.

Solomon Souza disse: “Estou muito satisfeito por ter sido convidado pelo Chelsea e pelo Sr. Abramovich para criar este projeto. Minha avó, Liselotte Souza, escapou dos nazistas em 1939 e veio para o Reino Unido, então essa peça significa muito para mim e minha família”.

O mural retratará três personalidades do futebol que foram enviadas aos campos nazistas:

Julius Hirsch, judeu alemão, foi um jogador de futebol que jogou nos clubes SpVgg Greuther Fürth e Karlsruher FV durante a maior parte de sua carreira. Ele foi o primeiro jogador judeu a representar a seleção alemã e disputou sete partidas internacionais pela Alemanha entre 1911 e 1913. Aposentou-se do futebol em 1923 e continuou trabalhando como treinador de jovens no clube KFV. Hirsch foi deportado para o campo de concentração de Auschwitz em 1º de março de 1943. Sua data exata da morte é desconhecida.

Árpád Weisz,  judeu húngaro, era jogador e treinador de futebol. Jogou pelo Törekvés SE em sua terra natal, Hungria, na Tchecoslováquia por Makabi Brno e na Itália por Alessandria e Inter Milan. Weisz era membro da equipe húngara nos Jogos Olímpicos de Verão de 1924 em Paris. Depois de se aposentar como jogador, em 1926, Weisz se estabeleceu na Itália e se tornou assistente técnico do Alessandria antes de se mudar para a Inter de Milão.

Weisz e sua família foram forçados a fugir da Itália após a promulgação das leis raciais italianas. Eles encontraram refúgio na Holanda, onde Weisz conseguiu um emprego de treinador na Dordrecht. Em 1942, Weisz e sua família foram deportados para Auschwitz. A esposa de Weisz, Elena, e seus filhos Roberto e Clara foram assassinados pelos nazistas na chegada. Weisz foi mantido vivo e explorado como trabalhador por 18 meses, antes de sua morte em janeiro de 1944.

Ron Jones, conhecido como o goleiro de Auschwitz, era um prisioneiro de guerra britânico enviado ao campo de prisioneiros E715 Wehrmacht, parte do complexo de Auschwitz, em 1942. Jones fazia parte da Liga de Futebol de Auschwitz e foi goleiro da equipe galesa.

Em 1945, Jones foi forçado a participar da “marcha da morte” de prisioneiros em toda a Europa. Juntamente com outros 230 prisioneiros aliados, ele marchou 1300 quilômetros da Polônia para a Tchecoslováquia e, finalmente, para a Áustria, onde foram libertados pelos americanos. Menos de 150 homens sobreviveram à marcha da morte. Jones voltou a Newport após a guerra e foi voluntário do Poppy Appeal por mais de 30 anos, até sua morte aos 102 anos de idade em 2019.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *