Ra’am congela sua filiação à coalizão e à Knesset

O partido islâmico Ra’am decidiu no domingo congelar temporariamente sua filiação, tanto na Knesset quanto na coalizão em meio à crescente pressão após os confrontos entre palestinos e policiais no Monte do Templo.

A decisão é principalmente declarativa neste momento, porque o parlamento está em recesso, embora fontes da oposição tenham dito que a viram como mais uma oportunidade para enfraquecer a coalizão, encorajar deserções e derrubar o governo.

De acordo com fontes citadas pela mídia israelense, a medida – que durará duas semanas e é coordenada com o primeiro-ministro Naftali Bennett e o ministro do Exterior Yair Lapid – visa aliviar a pressão sobre o partido, bem como evitar uma ruptura permanente com o governo.

O Ra’am denunciou as forças de segurança israelenses pela violência no local sagrado de Jerusalém, e um dos parlamentares do partido islâmico ameaçou deixar a coalizão. O líder do Ra’am, Mansour Abbas, no entanto, minimizou tal perspectiva e emitiu repetidos pedidos de calma.

A decisão sobre o congelamento temporário foi tomada durante uma reunião de domingo do conselho Shura do Movimento Islâmico do Sul – a organização guarda-chuva de Ra’am – para abordar a violência no local sagrado de Jerusalém.

O conselho pode tomar decisões sobre o partido e também tem autoridade para ordenar que os membros da Knesset renunciem à coalizão.

Fundado na década de 1980, o Movimento Islâmico ganhou destaque no ano passado depois que o Ra’am, que tem quatro cadeiras na Knesset, ingressou no governo de coalizão, o primeiro partido árabe a fazê-lo em décadas.

LEIA TAMBÉM

O movimento divide-se informalmente entre a sua vertente mais radical “norte” e a liderança “sul”, considerada mais moderada. Israel proibiu a filial do norte por supostas ligações terroristas em 2015.

Em contraste com alguns de seus antecessores incendiários, Abbas adotou uma postura pragmática.

Mais cedo no domingo, uma figura religiosa sênior do Movimento Islâmico do Sul pediu ao Ra’am que fugisse da coalizão por causa dos confrontos.

As fontes disseram que, como as tensões em torno do Monte do Templo aumentaram enquanto a Knesset está no meio de seu recesso de primavera, as autoridades do Ra’am esperam que quando o parlamento se reunir novamente em 9 de maio, a situação se acalme.

No entanto, alguns sugeriram que a oposição usará o congelamento da filiação do Ra’am para intensificar seus esforços para derrubar o governo.

O deputado Walid Taha, do Ra’am, disse pouco antes da decisão ser anunciada que a coalizão estava “aparentemente” caminhando para o colapso. “Pensamos que este governo se comportaria de maneira diferente”, disse ele, citando o que chamou de visitas “provocativas” de judeus ao Monte do Templo como a causa da mais recente violência. Segundo ele, o governo “permitiu que algumas centenas de fascistas” criassem problemas.

Fonte: The Times of Israel
Fotos: Wikimedia Commons

One thought on “Ra’am congela sua filiação à coalizão e à Knesset

Fechado para comentários.