Governo aprova novas localidades beduínas no Negev

O governo se reuniu na quarta-feira e aprovou uma demanda do partido Ra’am para estabelecer novos assentamentos para a população beduína no Negev.

A decisão inclui planos para uma nova cidade e três comunidades rurais de beduínos, destinadas ao reassentamento de residentes de campos de posseiros ilegais que seriam trazidos para comunidades legais e permanentes.

Apesar da forte pressão do partido Ra’am para fazer mudanças substantivas na redação da decisão do governo, a cooperação entre a ONG Regavim e a equipe do gabinete da Ministra do Interior Ayelet Shaked resultou em uma redação praticamente idêntica à proposta apresentada pelo governo de Netanyahu, que condiciona o programa a concessões do Ra’am.

Shaked exigiu que pelo menos 70% dos beduínos residentes na área sejam obrigados a declarar que concordam em deixar suas terras e se reunir nas localidades que serão estabelecidas. Se a condição não for atendida em sete anos, a decisão de estabelecer a cidade será revogada.

LEIA TAMBÉM

Meir Deutsch, diretor-geral da Regavim, disse que o plano é “uma oportunidade e um risco”. “Por um lado, esse plano pode levar a uma mudança real no Negev, a devolução das terras do estado às mãos do governo e o início do processo de reassentamento dos posseiros beduínos que ocuparam os espaços abertos do Negev. Este plano prevê a transferência para assentamentos legais e organizados, em vez da ‘expansão’ fictícia dos assentamentos existentes, que foi o procedimento padrão na última década. A decisão aprovada pelo governo estabelece critérios para realocar residentes dos acampamentos beduínos em assentamentos permanentes de acordo com cronogramas claramente definidos; se os critérios não forem atendidos, o plano de criação de novos assentamentos será cancelado”, explicou.

Um relatório do Controlador do Estado, de agosto, advertiu que o Negev é atormentado pela falta de fiscalização, falta de serviços básicos para os residentes das localidades beduínas, invasões de campos de treinamento das FDI, crimes nas estradas, coleta de dinheiro de “proteção”, água e roubo de eletricidade, vandalismo, danos à infraestrutura governamental, educação precária, danos ambientais e riscos à saúde.

Esse plano do governo pode ser o início de uma tendência positiva na região, acredita Regavim.

Fonte: Hamodia
Foto: David Shankbone, CC BY-SA 3.0 (Wikimedia Commons)