Gantz suspende fechamento das fronteiras

Israel suspendeu o fechamento das passagens de fronteira da área da Samaria e Judeia e da Faixa de Gaza à meia-noite deste sábado.

A decisão foi tomada após uma avaliação situacional do ministro da Defesa Benny Gantz e do chefe de operações da Polícia de Israel, Aviv Kohavi, de que não era necessário o fechamento nos próximos dias.

No entanto, o extenso envio de reforços de tropas e policiais continuará “de acordo com o esquema formulado pelas FDI”, disse o Ministério da Defesa em comunicado.

Agradecendo às forças de segurança por suas atividades durante o fim de semana, Gantz disse que Israel continuará a agir de “maneira direcionada contra o terror e impedirá qualquer um que pretenda violar a ordem pública”.

Ele também enfatizou a importância de continuar a preservar a liberdade de culto.

As FDI impuseram um fechamento geral na quinta-feira, em meio a uma onda de ataques terroristas que mataram 14 israelenses. Devido às tensões, os militares reforçaram a segurança na região com milhares de soldados de 16 batalhões de combate, incluindo forças especiais de unidades de comando, como parte da Operação Quebrando as ondas.

Em um movimento raro, a polícia entrou na Mesquita de Al-Aqsa depois que os palestinos que estavam no interior do templo começaram a atirar pedras nos oficiais. Durante as seis horas de confrontos, mais de 470 manifestantes foram presos, incluindo 65 menores. Alguns palestinos agitaram bandeiras do Hamas e atiraram pedras e fogos de artifício contra os fiéis judeus no Muro das Lamentações. A mídia palestina informou que a polícia usou gás lacrimogêneo, granadas de efeito moral e balas de borracha para dispersar a multidão que continuou a protestar depois que as orações terminaram.

LEIA TAMBÉM

“Os manifestantes içaram bandeiras do Hamas e atiraram pedras na polícia”, disse o porta-voz Eli Levy à Rádio do Exército. “Para não infringir a liberdade de culto, esperamos até o final das orações e depois entramos para dispersar os manifestantes”. A Polícia de Israel acrescentou mais tarde que não permitirá que os manifestantes perturbem o direito público à oração.

O ministro da Segurança Pública, Omer Bar Lev, disse repetidamente “que nosso objetivo é permitir a liberdade de culto a todos no Monte do Templo. Isso não mudou”.

A comunidade internacional condenou a entrada de forças de segurança na mesquita.

O Coordenador Especial das Nações Unidas para o Processo de Paz no Oriente Médio, Tor Wennesland, twittou que estava “profundamente preocupado com a deterioração da situação de segurança” no Monte do Templo.

“As provocações na Santa Esplanada devem parar agora. Permitir que as tensões cresçam ainda mais arrisca outra escalada”, tuitou.

O Ministério do Exterior da Jordânia condenou duramente as ações das forças de segurança israelenses no monte, chamando-as de “grave violação” da responsabilidade de Israel para com o local.

O gabinete do presidente da Autoridade Palestina, Mahmoud Abbas, disse que Israel está transformando um desacordo político em uma guerra religiosa, atribuindo a responsabilidade a Israel e à ação policial.

Sheikh Omar Al-Kiswani, da Mesquita de Aqsa, pediu ao povo palestino que viesse ao Monte do Templo na sexta-feira e o defendesse, informou a mídia palestina.

Grupos terroristas na Faixa de Gaza, incluindo o Hamas, a Frente Popular para a Libertação da Palestina e a Jihad Islâmica Palestina, também condenaram o que descreveram como um ataque aos fiéis palestinos e pediram aos palestinos de todos os lugares que apoiem a “defesa” de al-Aqsa.

“Condenamos a agressão bárbara dos soldados da ocupação contra os fiéis em al-Aqsa. Nossos irmãos em Jerusalém não estão sozinhos na luta por al-Aqsa”, disse o Hamas. “Apelamos às massas na região e dentro da Linha Verde para apoiar nossos irmãos em Jerusalém”.

Houve críticas de dentro da própria coalizão, com o líder do Ra’am, Mansour Abbas, dizendo à rádio árabe-israelense A-Shams que ele transmitiu a mensagem a todas as figuras políticas e policiais de que o Monte do Templo é uma linha vermelha para o partido, que é um elo fraco na estabilidade da coalizão.

“O acesso à al-Aqsa é um direito religioso muçulmano que continua sendo dificultado pelas incursões diárias das forças de segurança israelenses”, disse Abbas. “Eles provocam respostas iradas.”

O deputado árabe, Mazen Ghanaim, também alertou o primeiro-ministro em uma carta que ele se retiraria da coalizão se a atividade policial no Monte do Templo não fosse interrompida. A coalizão está atualmente sendo mantida unida pelo mínimo de 60 assentos.

A Lista Conjunta de partidos políticos árabes divulgou um comunicado depois que os confrontos maiores se acalmaram, dizendo: “A ocupação está tentando escalar as coisas. Mantenha suas mãos longe de al-Aqsa e de Jerusalém”, disse, condenando as prisões e restrições de movimento.

O rabino Shmuel Rabinowitz, rabino do Muro das Lamentações e dos Locais Sagrados, pediu às autoridades religiosas muçulmanas que trabalhem para acabar com a violência.

Os guardas da Mesquita de Al-Aqsa prenderam na noite de quinta-feira três judeus que tentavam entrar no Monte do Templo através do Portão do Conselho usando roupas árabes, segundo relatos palestinos.

Essas prisões ocorreram enquanto grandes multidões de muçulmanos realizavam orações noturnas no local.

As tensões ao redor do local aumentaram nos últimos dias em meio a advertências de facções palestinas contra planos de grupos judaicos de realizar um sacrifício de Pessach no local na sexta-feira. Autoridades israelenses enfatizaram que isso é proibido e vários judeus que planejavam fazê-lo foram presos.

Os Emirados Árabes Unidos e o Bahrein condenaram as ações de Israel no Monte do Templo.

O chefe de política externa da União Europeia, Josep Borrell, e o porta-voz do Departamento de Estado dos EUA, Ned Price, pediram a todos os lados, em declarações separadas, que “agissem com moderação”.

A declaração dos EUA foi mais extensa, com Price acrescentando que ambos os lados também devem “evitar ações provocativas e retóricas e preservar o status quo histórico no Monte do Templo”.

“Pedimos às autoridades palestinas e israelenses que trabalhem cooperativamente para diminuir as tensões e garantir a segurança de todos”, disse ele.

Fontes: The Jerusalem Post e The Times of Israel
Foto:PalFest from PalestineCC BY 2.0 (Wikimedia Commons)

One thought on “Gantz suspende fechamento das fronteiras

Fechado para comentários.