Israel está atrasado na prevenção de mortes no trânsito

Israel está muito atrasado nos esforços para prevenir mortes nas estradas em comparação com os países europeus, afirma um relatório do Conselho Europeu de Segurança no Transporte (ETSC) publicado recentemente.

Com quatro vítimas fatais apenas neste fim de semana – incluindo um bebê de um ano e meio -, o número de mortes de veículos motorizados no país subiu para 186 em 2021.

De acordo com o relatório, Israel está classificado em 30º lugar entre 32 países avaliados na prevenção de mortes relacionadas ao trânsito entre 2019 e 2020.

Na última década, os países europeus conseguiram reduzir as mortes em acidentes de trânsito em 37%, em média, enquanto Israel registrou uma redução de 18,7%.

Noruega, Grécia e Portugal lideram a lista com uma redução de quase 50% nas mortes por veículos motorizados.

Ao examinar as últimas duas décadas, Israel fica ainda mais atrás. Desde 2001, as mortes no trânsito em 32 países europeus caíram em média 63%, enquanto Israel só conseguiu um declínio de 46% durante o mesmo período, colocando-o em 29º na lista.

Embora Israel tenha registrado um declínio acentuado nas mortes nas estradas entre 2019-2020, esses números são atribuídos principalmente a bloqueios e restrições de viagens impostas devido à pandemia do coronavírus.

LEIA TAMBÉM

Durante esse período, o número de mortes nas estradas em Israel caiu 15,4%, enquanto os países europeus registraram um declínio de 17% em média.

O relatório também estipula que Israel só conseguiu reduzir lesões graves no trânsito em 2,6% entre os anos de 2013 e 2020, enquanto os países europeus ostentaram uma queda de 14% durante o mesmo período.

Israel também está classificado em 14º lugar entre 21 em taxa de milhagem de mortes, com uma média de 5,63 mortes por um bilhão de quilômetros viajados, um pouco abaixo da média europeia. Israel também está em nono lugar entre 32 países analisados ​​em mortes per capita entre 2018 e 2020.

O ETSC recomenda, entre outras medidas, que os países adotem e implementem o modelo Cidade Segura, que prioriza a segurança de pedestres, ciclistas e usuários do transporte público nas cidades em detrimento dos que viajam em veículos particulares e sugere diminuir significativamente o limite de velocidade nas áreas urbanas.

Israel, que não tem um programa de segurança no trânsito viável desde 2005, tem um plano de trabalho baseado nos princípios do modelo de Cidade Segura nos últimos anos, mas o Ministério dos Transportes não conseguiu implementá-lo devido ao impasse político de dois anos do país.

“O Conselho Europeu de Segurança no Trânsito mostrou que o Estado de Israel falhou na luta contra as mortes no trânsito nas últimas duas décadas”, disse Erez Kita, CEO da organização sem fins lucrativos Or Yarok Association for Safer Driving em Israel.

“O fato de Israel estar em último lugar na redução do número de mortos e gravemente feridos em acidentes rodoviários é um resultado direto de muitos anos de negligência e cortes orçamentários significativos, a tal ponto que Israel quase não investe dinheiro e recursos para salvar seus cidadãos de morrer na estrada. Desde 2005, não houve nenhum programa viável de segurança no trânsito em Israel. Enquanto isso, muitas vítimas estão pagando o preço”.

Fonte: Hamodia
Foto: PxHere