Droga para HIV trata COVID-19 com sucesso

Cientistas da República do Congo descobriram que um medicamento para HIV desenvolvido por Israel pode ser usado para tratar com sucesso pacientes críticos com COVID-19. Além disso, o medicamento pode estar disponível em “semanas ou meses” após a realização de mais ensaios clínicos.

Médicos do hospital Clinique La Source, na capital congolesa Brazzaville, observaram que pacientes com HIV gravemente doentes devido ao COVID-19 apresentaram melhora significativa após receberem um medicamento chamado Gammora.

Desenvolvido pela empresa israelense Zion Medical e pela Universidade Hebraica de Jerusalém, Gammora foi recentemente aprovado para uso no país da África Central.

“Ficamos surpresos porque queríamos ver se o medicamento funcionaria, mas não sabíamos o que aconteceria e vimos uma melhora nos sintomas de COVID-19 em 48 horas”, disse o Dr. Eynat Finkelshtein, diretor científico da Zion Medical.

Um pequeno ensaio clínico começou em Brazzaville, em 8 de abril. Conduzido sob protocolos que permitem que pacientes gravemente enfermos acessem tratamentos novos ou não comprovados (uso compassivo), ele foi supervisionado pelo Dr. Sebastian Mafoundzi, da Clinique La Source, juntamente com o Dr. Roger Alphonse Bouity. O representante da Organização Mundial da Saúde (OMS), Albert Kazadi, foi chamado como consultor particular para supervisionar.

O experimento foi testado em 30 pacientes gravemente enfermos em terapia intensiva, alguns com HIV, outros sem HIV, divididos em dois grupos.

O primeiro grupo de 15 pacientes (Grupo A) recebeu tratamento padrão para HIV e coronavírus, antibióticos e o medicamento para HIV Atripla. O segundo grupo (Grupo B) recebeu os antibióticos Atripla e Gammora por injeção durante um período de nove dias.

Após dois dias, todos os 15 pacientes do grupo B apresentaram uma melhora acentuada nos sintomas de COVID-19.

“Dos 15 que receberam Gammora além do tratamento padrão, quatro foram negativos [para o vírus] após nove dias de tratamento e 11 receberam alta da UTI e foram transferidos para a enfermaria” disse Finkelshtein.

Quanto aos 15 membros do Grupo A, 14 morreram no mesmo período e um permanece em estado crítico.

A Zion Medical reconhece que está recebendo cada vez mais relatos de todo o mundo que pacientes com HIV com coronavírus que estão recebendo Gammora foram completamente curados do COVID-19.

Finkelshtein confirmou que a empresa estava trabalhando para garantir a aprovação do uso do medicamento em outros países. Ela espera que, com os resultados em Brazzaville, a empresa agora possa navegar com mais facilidade pela burocracia dos procedimentos de aprovação.

Pacientes com coronavírus em estado crítico também poderão receber tratamentos com Gammora sob protocolos de uso compassivo, enfatizou. Além disso, ensaios clínicos em larga escala “levarão algum tempo para serem concluídos, mas, com essa pandemia em andamento, será mais rápido que outros ensaios clínicos para diferentes doenças”.

Fonte: Jpost

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *