Enviado da ONU “horrorizado” com morte de terrorista

O enviado das Nações Unidas para o Oriente Médio disse neste sábado que ficou “horrorizado” com a morte de um terrorista palestino que feriu um policial israelense na região da Samaria e Judeia.

Na tarde de sexta-feira, Ammar Mifleh tentou entrar no veículo de um casal israelense na cidade de Huwara, perto de Nablus, informou a Polícia de Fronteira. Ao tentar arrombar a porta trancada, um dos ocupantes – um oficial das FDI fora de serviço – atirou e feriu Mifleh com sua arma.

Mifleh então correu para um policial de fronteira próximo e o esfaqueou no rosto.

Imagens postadas nas mídias sociais mostraram outro policial de fronteira tentando prender Mifleh após o esfaqueamento, enquanto dois outros palestinos tentavam libertá-lo.

O segundo oficial conseguiu puxar Mifleh para longe deles com uma chave de braço, mas então ele se libertou brevemente de suas mãos e pareceu tentar agarrar a arma automática do oficial. O policial então permitiu que a arma caísse no chão, enquanto puxava uma arma do coldre e atirou quatro vezes à queima-roupa, matando Mifleh.

“Horrorizado pela morte de um homem palestino, Ammar Mifleh, durante uma briga com um soldado israelense perto de Huwara, na Cisjordânia ocupada”, disse o coordenador especial da ONU para o Processo de Paz no Oriente Médio, Tor Wennesland, no Twitter.

LEIA TAMBÉM

“Minhas condolências à família enlutada. Tais incidentes devem ser investigados completa e prontamente, e os agressores devem ser responsabilizados”, acrescentou.

O porta-voz do Ministério d Exterior, Emmanuel Nahshon, criticou a declaração de Wennesland, chamando-a de “distorção total da realidade”.

“Este incidente é um ataque terrorista, no qual um policial israelense foi esfaqueado no rosto e a vida de outro policial foi ameaçada e, consequentemente, ele atirou em seu agressor”, disse Nahshon no Twitter.

“Isto NÃO é uma ‘briga’, é um ataque terrorista!” adicionou ele.

O primeiro-ministro Yair Lapid apoiou o oficial que foi filmado atirando no esfaqueador.

“Qualquer tentativa de distorcer a realidade e contar histórias falsas para o mundo é simplesmente uma desgraça”, disse Lapid no Twitter. “Nossas forças de segurança continuarão a agir com determinação contra o terror onde quer que ele apareça.”

Ele também desejou uma rápida recuperação para outro guarda de fronteira ferido no incidente.

O ministro da Defesa, Benny Gantz, também disse que “condenava veementemente” os comentários de Wennesland.

“Quero elogiar o policial que neutralizou um terrorista ontem. Condeno fortemente as tentativas de apresentar o evento de forma falsa e manipuladora e a declaração do enviado da ONU ao Oriente Médio contra o oficial que agiu com determinação e profissionalismo”, disse Gantz no Twitter.

O prefeito de Huwara, Moein Dmeidy, e outros no sábado citaram relatos de segunda mão de que houve uma briga entre Mifleh e um motorista israelense após um acidente de carro, mas os jornalistas da Associated Press não conseguiram encontrar testemunhas dos eventos que levaram ao tiroteio.

Dmeidy disse que o policial não tinha justificativa para matar Mifleh depois que ele já o havia dominado. Mifleh foi “morto a sangue frio”, disse o prefeito, que chegou ao local momentos depois do tiroteio.

Segundo o prefeito, uma ambulância palestina chegou minutos depois do tiroteio, mas as forças de segurança impediram os médicos de dar a ajuda. Dmeidy disse que Israel não entregou o corpo de Mifleh para o enterro.

A Polícia de Fronteira disse que o policial com ferimentos de faca foi posteriormente levado para atendimento médico, assim como o policial que subjugou o agressor.

Enviado da ONU "horrorizado"
Ferimentos causados ao policial após o ataque de esfaqueamento na cidade de Hawara (Foto: Polícia de Israel)

Imagens do policial que matou o esfaqueador foram postadas nas redes sociais no sábado, algumas incluindo ameaças contra ele.

O próprio policial disse que poderia ter sido um “ataque mais significativo” se o agressor tivesse conseguido pegar sua arma.

“Durante uma luta com o terrorista, entendo que se ele conseguisse roubar meu fuzil, haveria um ataque mais significativo aqui. Consegui sacar minha arma e atirar no terrorista até que ele fosse neutralizado”, disse em um vídeo divulgado pela polícia.

O deputado Itamar Ben Gvir, que deve se tornar ministro encarregado da polícia, disse que conversou com o policial que matou o agressor no sábado e o elogiou por suas ações.

Huwara é um ponto de conflito frequente com uma rodovia que atravessa a cidade sendo uma rota principal para os moradores do norte da Samaria e Judeia.

Fonte: The Times of Israel
Foto: Captura de tela (Twitter), via The Times of Israel

One thought on “Enviado da ONU “horrorizado” com morte de terrorista

  • 5 de dezembro de 2022 em 13:21
    Permalink

    Os soldados , policiais e civis israelenses tem todo o direito de se defender de forma punitiva e definitiva!! Essas agressões terroristas devem ser eliminadas no local. Além da demolição das casas dos terroristas, todos os membros de suas famílias deveriam ter como resposta, a proibição de ir trabalhar em território israelense! A morte do terrorista tem que atingir toda a sua família, para que pensem duas vezes antes de atacar!

Fechado para comentários.

%d blogueiros gostam disto: