Site se desculpa por borrar rostos de mulheres

Uma popular agência de notícias ultraortodoxa concordou, no domingo, em se desculpar e pagar uma indenização depois de borrar os rostos de várias mulheres reformistas e líderes conservadoras no ano passado, de acordo com a organização que abriu um processo contra o site.

Em dezembro passado, o presidente Isaac Herzog reuniu-se com representantes dos movimentos reformista e conservador, bem como do grupo ativista Mulheres do Muro (Women of the Wall), para discutir o futuro da seção de oração igualitária no Muro das Lamentações.

Em sua matéria sobre a reunião, o site de notícias Behadrei Haredim incluiu uma fotografia da reunião, mas borrou os rostos das cinco mulheres participantes – Rakefet Ginsberg, CEO do movimento Masorti de Israel; Anna Kislanski, CEO do movimento reformista em Israel; Orly Erez-Likhovski, diretora do Centro de Ação Religiosa de Israel; Yochi Rappeport, presidente da Women of the Wall; e Tamar Gottlieb, vice-presidente do Women of the Wall.

Isso estava de acordo com a política geral do site de abster-se de publicar fotos de mulheres, alegando que isso vai contra as leis judaicas de modéstia, embora isso seja contestado por muitos rabinos estritamente ortodoxos.

Essas cinco mulheres entraram com uma ação civil contra o site de notícias, no início deste ano, por meio do Centro de Ação Religiosa de Israel (IRAC), alegando discriminação, negligência, difamação e violação de privacidade.

O caso foi enviado para mediação e, no domingo, Behadrei Haredim concordou em emitir um pedido formal de desculpas e pagar uma uma quantia não revelada, como indenização às cinco mulheres. O IRAC inicialmente exigiu que o site pagasse NIS 50.000 pela publicação da fotografia borrada.

“O site pede desculpas por borrar os rostos das mulheres em uma fotografia publicada em 1º de dezembro de 2021 e 7 de dezembro de 2021 e lamenta os danos causados ​​às mulheres ao publicá-la”, escreveu o site em um comunicado. A declaração foi veiculada no site no domingo.

LEIA TAMBÉM

As cinco mulheres envolvidas emitiram um comunicado, no domingo, comemorando a decisão, mas também destacando sua preocupação com os direitos das mulheres em Israel em geral.

“Particularmente neste momento em que os direitos das mulheres estão sendo atacados, vemos grande importância neste acordo, que deixa claro que a exclusão das mulheres é ilegal e que quem o faz deve pagar”, escreveram.

“Infelizmente, há muitos lugares em Israel, particularmente no Muro das Lamentações, onde as mulheres são excluídas e discriminadas. Os movimentos liberais judaicos continuarão na vanguarda da luta pelos direitos das mulheres e contra sua exclusão da esfera pública”, afirmaram.

O processo foi o primeiro aberto em Israel contra um site “pelas políticas humilhantes de apagamento das mulheres”, de acordo com o IRAC.

No ano passado, o IRAC marcou uma vitória em sua campanha contra o apagamento das mulheres na esfera pública em Israel, quando o Tribunal Distrital de Jerusalém decidiu a seu favor e ordenou que a prefeitura de Jerusalém investigasse incidentes de judeus haredi vandalizando outdoors com rostos de mulheres em toda a cidade.

O grupo entrou com a ação depois que vigilantes religiosos desfiguraram o retrato de uma sobrevivente do Holocausto de 95 anos que foi colocado do lado de fora da Prefeitura de Jerusalém.

“Os infratores não podem ditar o espaço público”, decidiu o tribunal na época.

Fonte: The Times of Israel
Foto: IRAC (Cortesia)