Estado quer incentivar alugueis de longa duração

Para tentar resolver os problemas dos altos custos da habitação, o governo está propondo uma reforma destinada a incentivar o aluguel de longa duração.

Serão concedidos benefícios fiscais aos empreiteiros que estabelecerem projetos residenciais em que dois terços dos apartamentos ou pelo menos 10 apartamentos estejam disponíveis para aluguel por um período mínimo de 15 anos.

Assim, as empresas que colocarem dois terços de seus imóveis (ou 10 apartamentos, o que for maior) para aluguel por pelo menos 15 anos terão benefícios fiscais. Quanto maior o período de aluguel maiores os descontos.

Os inquilinos destes empreendimentos terão direito a contratos por um período total de pelo menos 10 anos, estando esses contratos sujeitos a uma restrição de atualização do valor do aluguel durante todo o período. Os apartamentos, em qualquer caso, deverão ser alugados por pelo menos 15 anos cumulativos.

O nível de benefícios para empreendedores permitirá um desconto de 11% no imposto das empresas nos primeiros cinco anos, 9% nos próximos cinco anos e 7% nos cinco anos seguintes, se mantiver o projeto até ao final dos 15 anos. Uma empresa que opte por alugar o prédio por 20 anos ou mais terá o imposto de renda reduzida em 5%.

A nova proposta permite que os empreendimentos sejam vendidos em sua totalidade a quem mantenha o projeto, entre outras coisas para permitir a criação de um mercado secundário de aluguéis de longa duração para esses projetos.

LEIA TAMBÉM

Segundo o Ministério da Habitação e Construção, desde a aprovação da proposta, no âmbito da Lei de Arranjos, tem havido um grande interesse pelos projetos, prevendo-se que nos próximos anos ela incentive a construção de dezenas de milhares de apartamentos para aluguel de longa duração em todo o país. “Esta é uma notícia real que permitirá aos inquilinos a certeza e a segurança de alugar um apartamento a longo prazo”, disse o ministro das Finanças, Avigdor Lieberman.

O mercado de aluguel institucional de longo prazo ainda não conseguiu se firmar em Israel, em parte por causa de sua inviabilidade para os empreendedores, já que a maioria dos empreiteiros e empreendedores não pode arcar com a posse de longo prazo da propriedade. Sua estrutura econômica exige que eles terminem cada projeto com um lucro significativo, e seu lucro é a receita total com a venda dos apartamentos, menos os pagamentos dos empréstimos bancários. A exigência de manter a propriedade dos apartamentos por muitos anos sem vendê-los cria um “buraco” significativo para eles no modelo de negócios que os incentivos fiscais deveriam cobrir, pelo menos nos primeiros anos.

Ainda sem os dados de 2021, a comercialização do “Dira Leaskir”, o projeto de aluguel de longo prazo do ex-ministro das Finanças, Yair Lapid, totalizou apenas cerca de 9.000 apartamentos, e o Ministério das Finanças observa que em 2020, quando mais 95 mil apartamentos foram aprovados pela diretoria de planejamento, apenas 4.300 unidades habitacionais foram aprovadas para construção com o exercício do benefício (menos de 5% do total de aprovações). Mais de 80% dos apartamentos são construídos na zona central e são alugados a preços de mercado, pelo que mesmo que o plano acabe por conduzir a um aumento da oferta de apartamentos para aluguel de longa duração – poucos deles deverão ser apartamentos definidos como habitação acessível.

Fonte: Davar
Foto: Canva

One thought on “Estado quer incentivar alugueis de longa duração

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.