Estudo israelense revela sequelas do COVID

Entre os adultos que contraem o COVID-19, um em cada três não retorna aos níveis de saúde pré-infecção mesmo meses depois, sugere um novo estudo israelense.

Após a recuperação, “cerca de 34,6% dos participantes relataram não retornar à sua condição de saúde inicial”, afirma um estudo revisado por pesquisadores do Maccabi Healthcare Services, um dos quatro fundos de saúde do país, com base em pesquisas com 699 pacientes realizadas entre um e seis meses após a recuperação. Em média, os entrevistados estavam cinco meses após a recuperação.

O estudo, liderado pelo chefe de pesquisa e inovação do Maccabi, Dr. Tal Palaton, destacou a prevalência de sintomas como distúrbios de memória e dores musculares, e alertou sobre as consequências para a saúde pública da COVID. Os formuladores de políticas “devem esperar um impacto significativo dessa síndrome na saúde pública”, disse.

A pesquisa mostrou que os sintomas eram muito mais comuns entre aqueles que sentiram que tinham o coronavírus, em comparação com aqueles que eram assintomáticos. Eles também foram mais prevalentes entre mulheres que pegaram COVID do que homens e entre pessoas com excesso de peso ou que fumam.

O Maccabi realizou sua pesquisa em setembro de 2021, dois meses antes da cepa Omicron chegar a Israel. Isso significa que os resultados não refletem possíveis diferenças nos padrões de COVID após a recuperação do Omicron em comparação com as cepas anteriores.

E embora o tamanho da amostra seja grande, representa apenas 7,5% dos convidados a participar da pesquisa. Diante disso, os autores reconhecem a possibilidade de “viés de seleção”, o que significa que, como a pesquisa foi voluntária, as pessoas que apresentaram sintomas podem ter sido mais motivadas a responder do que outras.

LEIA TAMBÉM

No entanto, o estudo contribui para uma crescente base de literatura destacando o fenômeno do COVID, sua incidência e, graças a um outro estudo israelense publicado no mês passado, seu impacto no bem-estar.

Como o novo estudo teve um grupo de controle de cerca de 1.398 pessoas, mostra o quanto são mais comuns certas queixas de saúde entre aqueles que se recuperaram do COVID do que entre outros.

Cerca de 37% dos entrevistados que se recuperaram relataram distúrbios de memória em comparação com 14% daqueles que não foram infectados. Para dor torácica, os números comparativos foram 20% e 12%, e para fraqueza foram 53% versus 33%.

A mialgia, ou dores musculares, foi sentida por 24,7% do grupo não COVID e por 40% do grupo COVID.

Abordando a importância das descobertas, os autores escreveram: “O impacto do COVID-19 na saúde humana é imenso. Este é um campo de pesquisa e assistência à saúde dinâmico e em constante mudança, com consequências imprevisíveis. Um ponto de preocupação é o impacto na saúde a longo prazo da infecção por SARS-CoV-2. O COVID pode impactar significativamente a saúde humana nos próximos anos”.

Fonte: The Times of Israel
Fonte: Canva