Falha do Iron Dome permitiu a entrada de foguetes de Gaza

Um defeito técnico no Iron Dome (Domo de Ferro), na tarde de terça-feira, levou a um pequeno número de foguetes atravessando o “escudo de mísseis” de Israel e a alguns dos ferimentos mais graves do lado israelense, revelou uma investigação preliminar das FDI na quinta-feira.

As FDI disseram que sua unidade de defesa contra foguetes rapidamente notou, lidou com o problema técnico e restaurou a eficácia total, o que se refletiu em um desempenho geral de 90,5% de eficácia durante todo o período de conflito de terça e quarta-feira.

O relatório inicial veio após uma disputa entre as informações das FDI, no início da semana, de que estava investigando por que o Iron Dome teve um desempenho pior na tarde de terça-feira, e a declaração do porta-voz chefe das FDI, Brig. Gen. Daniel Hagari, na manhã de quarta-feira, de que tudo estava bem com o premiado sistema de defesa contra foguetes de Israel.

Até o mês passado, havia uma progressão geral da eficácia do Iron Dome contra os foguetes de Gaza. Em novembro de 2012, o Iron Dome foi considerado 85% eficaz, um número que saltou para 90% em 2014.

Houve uma queda em maio de 2019 para 85%, mas em maio de 2021 a eficácia voltou a 90% e em agosto de 2022 o sistema de defesa antimísseis atingiu o recorde de 96%.

Hagari disse na manhã de quarta-feira que a eficácia contra os mais de 100 foguetes entre terça e quarta-feira ainda era de cerca de 90%.

LEIA TAMBÉM

No entanto, durante a saraivada de 26 foguetes de Gaza na tarde de terça-feira, a eficácia para derrubar os foguetes que eram realmente ameaças foi de cerca de 60%.

Esse também foi o período em que ocorreram alguns dos piores golpes e baixas do lado israelense.

A discrepância era parcialmente explicável, já que Hagari parecia estar se referindo ao total de 100 foguetes durante o período de 30 horas, enquanto as críticas e a investigação interna pareciam focadas especificamente na saraivada de foguetes da tarde de Gaza.

O anúncio das FDI pode acabar com quaisquer teorias de que as FDI não haviam colocado todas as baterias do Domo de Ferro no lugar ou não tinha essas baterias totalmente equipadas à tarde e pode até ter sido ligeiramente enganado ao baixar a guarda depois de apenas alguns foguetes foram disparados na manhã de terça-feira.

Em contraste, na noite de terça e na manhã de quarta-feira, as FDI tiveram a maior parte do dia para se preparar e também esperavam mais foguetes de Gaza porque a força aérea israelense tinha planos de atacar os ativos dos grupos terroristas.

Esse mesmo problema de prontidão poderia ter explicado por que as FDI atingiram um nível recorde de eficácia em agosto de 2022. Essa operação, mais do que muitas outras na última década, foi pré-planejada cuidadosamente por Jerusalém, em vez de cair em uma guerra indesejada por acidente em alguns outros casos.

Fonte: The Jerusalem Post
Foto: Wikimedia Commons

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *