Faltam empregos ou faltam empregados?

Esperava-se que o mercado de trabalho se expandisse depois que os benefícios do governo para trabalhadores em licença sem vencimento (Chalat) diminuíram no final de junho. Mas as coisas não funcionaram exatamente assim.

No início desta semana, o Bureau Central de Estatística disse que o índice geral de desemprego  na primeira quinzena de julho aumentou ligeiramente para 9%, em comparação com 8,8% durante a segunda quinzena de junho.

Cerca de 383,7 mil pessoas não participaram da força de trabalho nas duas primeiras semanas de julho, em comparação com 376,6 mil nas duas últimas semanas de junho. Para efeito de comparação, são cerca de 184 mil pessoas desempregadas a mais do que na véspera da pandemia em janeiro de 2020, quando o desemprego estava em um nível recorde, de acordo com o Ministério das Finanças. Isso apesar de haver uma estimativa de 130.000 posições não preenchidas disponíveis em empresas em Israel.

Essa explosão é um golpe para a recuperação econômica de Israel. Em abril e maio, o número de desempregados melhorou mais rápido do que o esperado, à medida que o país se libertava de seu terceiro bloqueio.

Restaurantes e outros setores que empregam principalmente trabalhadores jovens e não qualificados estavam tendo problemas para contratar pessoal, mas, acreditava-se, isso chegaria ao fim quando o programa de reposição salarial do governo parasse de pagar o Chalat, em 1º de julho. Isso era parte do plano do novo ministro das Finanças, Avigdor Liberman, para fazer com que todos voltassem ao trabalho.

LEIA TAMBÉM

No entanto, não parece ter funcionado. Os trabalhadores não estão voltando à força de trabalho em massa, e uma série de razões estão sendo sugeridas. O verão significa que os pais estão em casa com os filhos, as empresas simplificaram suas operações e o aumento do número de infecções por coronavírus faz com que as pessoas esperem que outro bloqueio seja iminente.

“Acho que é principalmente por causa do medo de que o corona  volte”, disse Netanel Ivgi, proprietário da Ivgi Delicatessen no mercado Mahané Yehuda, em Jerusalém. “As pessoas acham que vai haver um novo bloqueio, então não haveria razão para voltar ao trabalho”.

Ivgi disse que ele e outros lojistas do mercado não viram nenhum aumento nas contratações potenciais e que o negócio está sofrendo com a falta de mão de obra. “Estamos tentando expandir o negócio, mas não temos gente para ajudar”, disse ele.

Uzi Tzabag, proprietário do restaurante Yafale, em Talpiot, descreveu desafios semelhantes. “Depois que o bloqueio acabou, alguns meses atrás, foi catastrófico aqui, mas então começamos a contratar algumas pessoas e nos reerguer. Mas ainda temos pouco pessoal e a qualidade das pessoas disponíveis diminuiu. Acabei me conformando com trabalhadores que não teria contratado antes. Vejo que não posso oferecer o nível de serviço que nossos clientes esperam. Se não fosse pelo fato de que 80% dos meus clientes vêm aqui há anos, eu teria saído do mercado”, disse ele.

Esses não são os problemas que o setor de alta tecnologia de Israel está enfrentando. Cheios de dinheiro à medida que os investidores investem em novas empresas locais, os desafios que essas empresas enfrentam na contratação são bem diferentes.

“O problema aqui não está relacionado à licença-desemprego. É por causa do crescimento do setor de alta tecnologia. Com todos os investimentos feitos e todos os novos cargos sendo criados, não há trabalhadores suficientes para preencher todos os empregos”, disse Lipaz Tzitrinovich Daudi, gerente de recrutamento da Gloat, uma plataforma de mercado de recursos humanos movida à IA. “Na verdade, parece que todos estão em busca de novas oportunidades, pelo menos passivamente, se não ativamente. Também há mais empregos mudando para a periferia, devido à transição para o trabalho híbrido”.

Fone: The Jerusalem Post
Foto: Canva