Benefícios para desempregados pela COVID acabam hoje

Em uma sessão tumultuada, a Knesset aprovou mudanças radicais nos benefícios de desemprego (chalat) que são pagos àqueles que perderam seus empregos devido à pandemia do coronavírus.

A legislação aprovada suspende o benefício de cerca de 200 mil pessoas. De acordo com o novo regulamento, os pagamentos mensais continuarão para aqueles com 45 anos ou mais. O último pagamento do mês de junho será pago aos elegíveis em até dez dias.

Cerca de 160.000 desempregados pelo Corona que não conseguiram encontrar trabalho e já completaram 45 anos continuarão a receber seguro-desemprego por um período estimado de mais três meses.

A legislação, na forma de regras especiais sobre a continuidade dos pagamentos aos trabalhadores em licença sem remuneração, foi aprovada por 35 a 0, depois de protestos da oposição contra um deputado da coalizão que deu dois votos no que ele disse ter sido um erro.

A sessão foi brevemente interrompida depois que o deputado do Yamina Abir Kara votou duas vezes contra uma objeção à lei proposta pela oposição, levando a uma resposta furiosa da oposição.

Kara reconheceu imediatamente que também votou no computador de seu colega, o chefe da coalizão Idit Silman, do Yamina, mas disse que foi um erro. Silman disse que não pediu a Kara para votar em seu nome. A proposta da oposição foi derrotada por uma ampla margem, 44 a 20.

LEIA TAMBÉM

A oposição, no entanto, acusou Kara de violar a lei e exigiu que o debate fosse interrompido até que as autoridades legais pudessem ser consultadas. Amir Ohana, do Likud, exigiu ainda que os votos de Kara nas últimas duas semanas fossem examinados. Os deputados da oposição então prometeram boicotar a votação até que o assunto fosse investigado.

O consultor jurídico da Knesset ordenou uma nova votação da emenda, que foi novamente derrotada. Depois disso, a própria legislação foi aprovada em sua segunda e terceira leituras, transformando-a em lei.

De acordo com o novo plano, aprovado por unanimidade pelos membros do Comitê de Finanças da Knesset, apenas aqueles com mais de 45 anos continuarão a receber pagamentos, que agora serão menores e continuarão até meados de outubro. Os maiores de 67 anos que foram forçados a deixar seus empregos pela crise do COVID-19 também continuarão a receber um pagamento reduzido, até o final de setembro.

Além disso, as gestantes terão proteção contra demissões até o final do ano. Mulheres que deram à luz nos últimos meses e ainda têm direito a benefícios de desemprego serão pagas a uma taxa equivalente ao seu último salário, um aumento em relação ao estipêndio regular que receberam até agora.

O diretor-geral do Instituto Nacional de Seguros, Meir Spiegler, disse ao Canal 12 que o plano proposto “é equilibrado, gradual e fornece uma solução para algumas populações que entraram em crise e ainda não encontraram a capacidade de entrar no mercado de trabalho”.

Spiegler observou que um prazo foi definido em agosto do ano passado, quando o governo decidiu prorrogar o período durante o qual pagaria benefícios especiais que foram introduzidos por causa da crise do vírus.

“As pessoas sabiam que, em 30 de junho, os benefícios expirariam”, disse Spiegler.

No ano passado, cerca de NIS 39 bilhões (US$ 12 bilhões) foram pagos a mais de um milhão de israelenses que perderam seus empregos ou foram colocados em licença sem vencimento, de acordo com o Canal 12.

Na semana passada, o recém-nomeado Ministro das Finanças, Avigdor Liberman, alertou que estaria cortando dinheiro para muitos que receberam ajuda durante o ano passado.

“O seguro-desemprego para os licenciados voltará a ser de acordo com os padrões anteriores ao coronavírus”, escreveu ele em um tweet.

Fonte: The Times of Israel
Foto: DaphnaAM (Pixabay)

One thought on “Benefícios para desempregados pela COVID acabam hoje

Fechado para comentários.