IsraelNotícias

FDI apertam o cerco em torno do Hamas

Os combatentes das FDI da Brigada Nahal identificaram um esquadrão terrorista escondido em uma mesquita e, com a ajuda de apoio aéreo, eliminaram os terroristas quando eles fugiram da mesquita em direção a um túnel.

Os terroristas do Hamas dispararam mísseis antitanque contra as FDI a partir de vários locais, incluindo um hospital local.

Um helicóptero de combate escoltou os soldados para um local seguro e destruiu as fontes de fogo.

Durante uma invasão a uma escola que servia de base para lançamentos e atividades terroristas, os soldados da 401ª Brigada eliminaram vários terroristas e encontraram poços de lançamento de foguetes e muitas armas nas dependências da escola.

A Brigada Paraquedista encontrou uma abertura de túnel perto de um parque de diversões. A Brigada Paraquedista e a 7ª Brigada também encontraram uma abertura de túnel e um depósito de armas perto de uma universidade, descobrindo produtos químicos, RPGs e explosivos, entre outros objetos.

O comandante do 202º Batalhão, Tenente-Coronel Almog afirmou que “descobrimos uma abertura de túnel muito significativa, aparentemente levando a um sistema de túneis. Continuaremos destruindo a infraestrutura”.

LEIA TAMBÉM

“Tudo isso é mais uma prova do uso cínico das instalações e da população civil pela organização terrorista Hamas como um escudo humano para as necessidades da organização terrorista”, disse a Unidade do Porta-voz das FDI.

Durante uma das incursões, o major Yaacov Ozeri, da 401ª Brigada Blindada foi morto. Ozeri, de 28 anos, era de Kfar Shamai, um moshav no norte de Israel. Ele é o 31º militar morto desde que Israel lançou uma invasão terrestre em resposta aos massacres do Hamas em 7 de outubro.

As FDI disseram nesta quarta-feira que mataram Mohsen Abu Zina, responsável pela indústria de armas do Hamas. “Mohsen Abu Zina era um dos principais desenvolvedores de armas do Hamas e era um especialista no desenvolvimento de armas estratégicas e foguetes usados ​​por terroristas do Hamas”, disseram os militares.

Ontem à noite, na fronteira norte, as FDI atacaram um esquadrão terrorista no Líbano que tentou lançar um míssil antitanque contra Israel, e mais tarde interceptou um alvo suspeito que se aproximava da fronteira e atacou um esquadrão que lançou um míssil antitanque em um posto avançado das FDI na Galileia Ocidental.

Os três membros do gabinete de guerra criado para supervisionar a campanha militar fizeram declarações durante a noite, com Netanyahu e o ministro da Defesa Gallant descartando um cessar-fogo até que os reféns voltassem para casa.

Gallant chamou a Faixa de Gaza de “a maior base terrorista que a humanidade já construiu” e também rejeitou qualquer pausa humanitária antes que os grupos terroristas palestinos libertem os mais de 240 reféns que mantêm.

O ministro Benny Gantz, chamou o conflito de “guerra em múltiplas frentes”, a descrição mais forte já feita pelo governo da expansão do combate para outras arenas.

Netanyahu enfatizou que as FDI têm penetrado mais profundamente em Gaza do que o Hamas alguma vez imaginou, e alertou o grupo terrorista Hezbollah do Líbano que estaria cometendo o “maior erro da sua vida” se abrisse uma nova frente de guerra.

Em relação aos reféns detidos em Gaza, Netanyahu disse que conversou com o presidente da Cruz Vermelha e exigiu que trabalhasse para garantir a sua libertação imediata, “conforme exigido pelo direito internacional”. Ele também exigiu que a Cruz Vermelha visitasse todos os reféns e verificasse o seu bem-estar, mais uma vez como exige o direito internacional.

Enquanto isso as famílias dos reféns mantidos pelo Hamas realizaram vários protestos, atacando o governo por não fazer o suficiente para libertar os seus entes queridos.

Ontem, atendendo aos vários pedidos para deixarem o norte da Faixa de Gaza, milhares de habitantes de Gaza se dirigiram para o sul do enclave agitando bandeiras brancas, passando por um corredor de evacuação criado pelas FDI. Eles se juntaram a cerca de 800 mil que já migraram.

Fonte: Revista Bras.il a partir de The Times of Israel, Israel National News e Canal 13
Foto: FDI

2 thoughts on “FDI apertam o cerco em torno do Hamas

  • Jorge Bastos

    Combatentes e todos os israelenses em Israel e no mundo, vocês são um promessa de Deus, não parem desse enfrentamento, pois o Criador prometeu que estaria com vocês. Lembram dos 185 mil que numa noite um anjo os derrubou? Façam um clamou a Adonai e Ele os ouvirá. Não confiem em carros e cavalos, mas acima de tudo no Único Senhor. Lembrem dos teus antepassados que lutaram para que vocês existissem, foram até a morte. Agora é a vez de vocês geração presente para garantir a geração futura. Paz Vencer,vencer, vencer. Isso é o que importa. Essa é a oportunidade de vocês mostrarem que é o único que tem coragem de enfrentar o terrorismo e vencer. Deus os abençoe

    Resposta
  • Maria Nazinha Assunção da Silva

    Lamentável a perda desse major yaakov,e a todos que perderam suas vidas lutando por amor ao seu país minha reverência 🙇‍♂️🙇‍♀️ a esses heróis guerreiros valentes destemidos homens,pesso ao Eterno que guarde a todos que estão em batalha dando forças 💪 👊🤜🤛🤝

    Resposta

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Pular para o conteúdo