Cambistas oferecem ingressos falsos para Meron

Cambistas estão oferecendo ingressos falsos para o festival Lag B’Omer deste ano no Monte Meron, em uma tentativa de contornar os limites de participação impostos depois que 45 pessoas morreram em uma queda no local, no ano passado, informou TV Kan.

O festival de Lag B’Omer começa na quarta-feira à noite. Centenas de milhares de fieis normalmente visitam o Monte Meron, onde fica o túmulo do sábio do século II, Rabi Shimon bar Yochai, para uma peregrinação anual do dia que marca sua morte.

Após o desastre no local, no ano passado, não mais de 16.000 pessoas por vez serão admitidas dentro e ao redor do complexo do túmulo na quarta e quinta-feira, de acordo com as regras elaboradas pelo Ministério da Justiça, o Ministério dos Assuntos Religiosos e a polícia.

Neste ano, ao contrário dos anos anteriores, a entrada agora será condicionada à pré-compra de um ingresso e os visitantes só poderão permanecer por quatro horas.

Os acordos, aprovados na semana passada pelo Comitê de Segurança Pública da Knesset, desencadearam uma indústria de ingressos falsificados que podem ser comprados por centenas de shekels, disse a TV Kan.

Um cambista disse a repórteres que se passavam por peregrinos interessados: “Se não houver mais lugares, posso fazê-lo, mas será mais caro para você”.

O vendedor, que não foi identificado na reportagem, avisou que enquanto ainda houver lugares disponíveis, fica mais barato comprar através da bilheteira oficial, mas “assim que não houver lugares no local e eu conseguir mais lugares para você, será mais caro”.

LEIA TAMBÉM

Ele também disse aos repórteres que pode providenciar ingressos que darão direito ao titular permanecer no local por mais do que as quatro horas permitidas.

Durante uma visita ao Monte Meron na segunda-feira, o vice-ministro dos Assuntos Religiosos, Matan Kahana, disse que “nos últimos meses fizemos o melhor que pudemos para que este ano todos os que celebram voltem para casa em segurança e quem quiser pode vir e comemorar de maneira tão semelhante quanto possível à forma habitual”.

O Comandante do Distrito Norte da Polícia, Shimon Lavi, disse à imprensa na visita que o número de pessoas que serão admitidas a qualquer momento no local “é baseado em análises e relatórios de engenheiros de segurança, com a ideia de manter a ordem e a segurança para o público”.

Lavi alertou que “quem não tem ingresso não tem motivos para vir a Meron”.

Os organizadores também publicaram pedidos dos principais rabinos para obedecer às instruções das autoridades de segurança, informou Kan.

No entanto, alguns membros da comunidade ortodoxa estão pressionando o público a ignorar as novas regras.

A Kan transmitiu uma mensagem gravada, em iídiche, de um call center de informações que operava no bairro ortodoxo de Mea Shearim, em Jerusalém, que pedia ação contra as autoridades, chamadas de “pessoas más que estão prejudicando” a honra do rabino Shimon Bar Yochai. Ele convocou os peregrinos a viajar para Meron mais cedo, na terça e quarta-feira, aparentemente para forçar a entrada no local.

A tragédia, em 30 de abril de 2021, ocorreu quando milhares de celebrantes desceram por uma passarela estreita. Algumas pessoas caíram na passarela e desceram um lance de escadas em seu final, caindo sobre os de baixo e precipitando um efeito dominó.

O esmagamento foi atribuído a paredes e passarelas instaladas incorretamente, bem como à falha em limitar o número de presentes no local. Diferentes áreas do extenso complexo do Monte Meron eram administradas por diferentes grupos ortodoxos, dificultando a regulamentação e a organização.

Uma comissão estadual de inquérito sobre o incidente está em andamento, embora tenha sido retardada após a morte de Miriam Naor, chefe da investigação, em janeiro.

A Knesset aprovou, esta semana, uma doação de NIS 500.000 em “ajuda inicial” para as famílias enlutadas de cada uma das 45 vítimas.

Na segunda-feira, dez famílias enlutadas pelo desastre do ano passado entraram com uma ação contra os organizadores do evento de 2021.

Fonte: The Times of Israel
Foto: Israel PoliceCC BY-SA 3.0 (Wikimedia Commons)