Ferramenta ajuda a prescrever medicação correta

O Macabi, um dos planos de saúde israelenses, diz que aumentou significativamente a capacidade dos médicos de prescrever os antibióticos certos, ao introduzir uma ferramenta de inteligência artificial.

A resistência aos antibióticos é grande e significa que muitos pacientes não são ajudados pelo antibiótico inicial que lhes é administrado e precisam trocar os medicamentos.

Isso não só prejudica os pacientes ao retardar o tratamento. De forma geral, também reforça um ciclo vicioso: quanto mais antibióticos as pessoas são expostas, mais aumenta a resistência aos antibióticos.

O Macabi está relatando agora uma redução de 35% na necessidade de troca de antibióticos entre pacientes com infecção do trato urinário que foram prescritos com a ajuda de uma nova ferramenta de inteligência artificial implantada no início deste ano e desenvolvida no Instituto Technion.

A Dra. Shira Greenfield, diretora de informática médica do Macabi, disse que a ferramenta fornece uma solução de alta tecnologia para “um problema que todas as entidades de saúde estão trabalhando para resolver”. E acrescentou: “A importância de administrar um tratamento antibiótico personalizado é que reduz o risco de desenvolvimento de resistência aos antibióticos”.

O Dr. Idan Yelin, da Faculdade Technion de Biologia, disse que a ferramenta de IA começou como um projeto de pesquisa, conduzido com o Prof. Roy Kishony. Eles publicaram pesquisas revisadas por pares sobre a ideia em 2019, mas por dois anos ela ficou no estágio conceitual e não foi implantada em um cenário do mundo real.

LEIA TAMBÉM

A teoria era sólida, disse ele, ou seja, se um algoritmo fosse alimentado com dados sobre antibióticos que tiveram sucesso ou falharam, junto com informações sobre a idade do paciente, sexo, condição física e uma série de outros parâmetros, ajudaria a prever os melhores antibióticos para outros pacientes.

Nos últimos meses, o Maccabi implantou-o na primeira amostra de pacientes, ou seja, aqueles que sofrem de infecções do trato urinário. Espera-se agora que implante o algoritmo para outras infecções. Outras organizações de saúde também devem fazer uso do algoritmo.

“Levamos isso para um cenário da vida real e ficamos felizes em ver que isso está reduzindo a taxa de incompatibilidade de antibióticos em pacientes em 35%”, disse Yelin.

“Para os pacientes, isso torna o tratamento mais curto e mais eficaz. E, em geral, conforme a resistência aos antibióticos cresce e é uma grande preocupação, queremos reduzir a frequência de incompatibilidades, falhas de tratamento e quantidades de antibióticos sendo usados, e este algoritmo pode nos ajudar a fazer isso”.

Fonte: The Times of Israel
Foto: Bicanski (Pixnio), CC0