Israel simulará ataque ao Irã em exercício militar

O exército israelense simulará um possível ataque contra o Irã e suas instalações nucleares.

Ele também simulará ataques a alvos distantes das fronteiras de Israel com um grande número de aeronaves enquanto identifica novos alvos em várias frentes, em tempo real, durante seu maior exercício militar da história.

De acordo com as FDI, o exercício é único e sem precedentes em escopo e permitirá que o exército mantenha um alto nível de prontidão em uma região em constante mudança. Seu objetivo é aprimorar as capacidades militares em uma guerra intensa, multifrontal e prolongada em todas as suas fronteiras.

Durante o exercício, a Força Aérea também buscará alvos de ataque longe das fronteiras de Israel, enquanto as tropas continuam a travar uma guerra de várias frentes em suas fronteiras.

Os militares, que estão planejando seriamente várias opções militares contra o Irã caso as negociações nucleares entre o Ocidente e a República Islâmica falhem, estudarão uma das opções possíveis durante o exercício.

Além disso, o exército simulará cenários onde há tumultos ainda mais intensos dentro de cidades árabes-israelenses, o dobro do nível de violência visto durante a operação do ano passado contra o Hamas na Faixa de Gaza.

O exército quer enviar tropas antes que a violência ecloda e não em resposta a ela, e trabalhará para manter estradas abertas em áreas do Negev e na área de Wadi Ara, no norte de Israel.

LEIA TAMBÉM

Devido às crescentes tensões na área da Samaria e Judeia e em Jerusalém, os militares israelenses continuam a ver sua repressão ao terrorismo em todas as seis frentes, inclusive dentro do país, como sua principal prioridade, apesar de estar no meio do maior exercício de sua história.

Israel está realizando uma operação apelidada de “Quebrando a Onda” nos últimos dois meses em uma tentativa de evitar novos ataques a cidadãos israelenses depois que uma série de ataques tirou a vida de 19 pessoas.

Durante uma visita à Brigada Ephraim na região, na manhã de terça-feira, o primeiro-ministro Naftali Bennett disse que as FDI têm uma diretriz clara para erradicar os terroristas.

“A diretriz é clara”, disse Bennett, “as FDI devem atacar terroristas onde quer que estejam, com qualquer tipo de arma. Aqueles que levantam as mãos contra um cidadão israelense ou um soldado das FDI, seu sangue está em suas próprias cabeças”.

Os militares acreditam que a incitação religiosa em torno do Monte do Templo e motivos pessoais estão levando os palestinos a atacar israelenses e, embora o Hamas não esteja por trás da atual onda de ataques de lobos solitários, o grupo está aproveitando o sucesso dos terroristas.

Acredita-se que o Hamas seja responsável por 25% do incitamento, outros 25% pelo Movimento Islâmico, 10% pelo Hezbollah e o restante pela Malásia e Índia.

“Estamos enfrentando uma onda de terror baseada em uma série de ataques que aproveitam a situação delicada em Jerusalém e no Monte do Templo, onde Israel mantém a liberdade de culto”, disse o ministro da Defesa, Benny Gantz.

Pedindo à comunidade internacional que condene o incitamento, Gantz disse que os ataques “estão conectados entre si, pois são baseados no incitamento espalhado por organizações terroristas na região. Esse incitamento não é suficientemente condenado pelos líderes mundiais e regionais, que também devem priorizar a estabilidade na região”.

Antes do mês do Ramadã, as FDI aumentaram sua coleta de inteligência e operações nas quais prendeu cerca de 900 palestinos para reduzir o número de possíveis ataques, algo que não conseguiu totalmente.

Desde o início da Operação Quebrando a Onda, cerca de 300 palestinos foram presos e cerca de 30 morreram em confrontos.

A fim de acabar com a atual onda de violência sem novos ataques, o sistema de segurança (FDI Shin Bet e Polícia de Israel) concentrou sua atenção no norte da região da Samaria e Judéia e aumentou a presença de tropas ao longo da Linha de Costura, onde os palestinos atravessam ilegalmente para Israel através de buracos na cerca de segurança.

Espera-se que o envio de tropas, bem como a convocação das forças de reserva, dure até o próximo ano.

Fonte: Iton Gadol
Foto: IDF Spokesperson’s Unit

One thought on “Israel simulará ataque ao Irã em exercício militar

Fechado para comentários.