Fotos do Holocausto são cobertas por Museu

Quatro fotos tiradas em 1944 por Alberto Errera, um judeu grego preso no campo de concentração de Auschwitz-Birkenau, que mostram os prisioneiros a caminho da câmara de gás, assim como a queima de cadáveres, foram cobertas pelo Museu do Holocausto de Amsterdã. As fotos faziam parte de uma exposição dedicada à perseguição dos judeus holandeses entre 1940-1945, que pode ser vista na instituição até 6 de outubro, mas a direção justifica seu gesto alegando que ainda não tem uma posição oficial diante de cenas tão cruéis. O Instituto para Estudos da Guerra, do Holocausto e do Genocídio (NIOD na sigla em holandês), responsável pela montagem da mostra, lamenta a decisão porque considera que Errera conseguiu uma das principais provas históricas do Holocausto.

A controvérsia entre o Museu do Holocausto e o NIOD chegou à imprensa holandesa através do jornal De Volkskrant, e as duas partes deram inúmeras explicações sobre o que aconteceu. A sala está localizada no coração da capital holandesa, no antigo bairro judeu. Embora possa ser visitada e organize atividades, sua inauguração oficial será em 2022 e, portanto, Emile Schrijver, seu diretor, declarou que precisam de tempo para decidir sua posição como instituição. Também existem dúvidas éticas diante da falta de respeito pelos mortos refletida nas imagens e do horror mostrado, dado o caráter pedagógico da exposição sobre a vida dos judeus holandeses durante a ocupação. O museu decidiu cobri-las porque “também não tinham relação com os fustigados na Holanda”, segundo Schrijver.

No entanto, o NIOD as qualifica como “testemunho essencial porque os judeus holandeses sofreram o mesmo destino e os corpos não são reconhecíveis, mas são testemunhas da destruição”. Apesar do seu valor, não são tão conhecidas como outras cenas e por isso René Kok e Erik Somers, pesquisadores do instituto e curadores da exposição, as incluíram no livro que a acompanha. A obra pode ser comprada sem censura no museu.

Alberto Errera era oficial do exército grego e membro da resistência judaica durante a Segunda Guerra Mundial. Uma vez feito prisioneiro, foi obrigado a fazer parte dos chamados Sonderkommandos (comandos especiais). Eram brigadas de cativos destinadas a trabalhar nas câmaras de gás e nos crematórios dos campos de concentração nazistas na Europa. Eles levavam os prisioneiros às câmaras. Então, por ordem dos guardas, retiravam e inspecionavam os corpos em busca de algum objeto valioso. Os cadáveres eram incinerados em fornos, mas quando estes não davam conta, se recorria a fossas ao ar livre. Ali as vítimas eram empilhadas em meio a uma grande fumaça. Errera captou um desses momentos de dentro de um barracão. Em outra foto, um grupo de pessoas nuas está a caminho da câmara de gás sob vigilância.

Não se sabe como Errera conseguiu a máquina fotográfica, mas o carretel de filme foi retirado de Auschwitz em um tubo de pasta de dente. Ele não sobreviveu. Foi morto em agosto de 1944 depois de ter participado de um fracassado levante de prisioneiros. Os Sonderkommandos eram proibidos de falar com as pessoas que levavam à morte. Se o faziam, eram executados. Àqueles que tentavam fugir, os guardas nazistas reservavam um último gesto cruel: seus restos eram expostos na entrada do campo para amedrontar.

As quatro imagens da polêmica estão à vista no Hollandse Schouwburg, um teatro em Amsterdã considerado judeu pelos nazistas e usado em 1942 como escritório para recensear a comunidade. Localizado em frente ao Museu do Holocausto, faz parte do Bairro Cultural Judeu, organismo que engloba as duas instituições.

Fonte: jn.pt