Fundo vai compensar Israel pela poluição de alcatrão

O Fundo Internacional de Compensação de Poluição por Petróleo, com sede em Londres, aprovou na quinta-feira o pedido de Israel para receber indenização pela poluição de alcatrão que cobriu suas praias em fevereiro, após um vazamento de óleo por um navio de propriedade da Síria, o Emerald, no Mar Mediterrâneo.

A decisão foi tomada por unanimidade na reunião semestral da comissão executiva do fundo.

O montante ainda não foi determinado. O próximo passo será determinar quem receberá a compensação, quanto e qual será o cronograma. “Israel será compensado pelo desastre do alcatrão, de acordo com o princípio de ‘o poluidor paga’”, disse a ministra da Proteção Ambiental Tamar Zandberg,

Ela acrescentou que os danos significativos causados ​​ao meio ambiente e à vida marinha ressaltam a posição do ministério de que o mundo deve mover-se o mais rápido possível para substituir os combustíveis fósseis, como o petróleo, por fontes de energia renováveis.

Em 18 de fevereiro, o alcatrão começou a se espalhar pela costa do Mediterrâneo após uma tempestade, junto com o cadáver de uma baleia-comum com cerca de 17 metros de comprimento.

Nos dias seguintes, ficou claro que as praias, de Rosh Hanikrá no extremo norte a Nitzanim no sul, foram contaminadas e que a vida selvagem pagou um preço alto.

LEIA TAMBÉM

As evidências encontradas em uma investigação do Ministério de Proteção Ambiental, na época, indicaram que o vazamento de dezenas de toneladas de petróleo bruto ocorreu entre 1 e 2 de fevereiro, cerca de 130 quilômetros no mar e veio do navio petroleiro de propriedade síria Emerald, que não estava segurado.

Tanto Israel quanto o presidente do fundo de compensação concordaram que o petróleo foi aparentemente despejado no mar de propósito durante a limpeza dos barris de petróleo a bordo, de acordo com um comunicado do ministério.

Israel foi representado na reunião de quinta-feira por Rani Amir, que dirige a Unidade Nacional para a Proteção do Meio Ambiente Marinho do ministério, e Zvi Shapira da Administração de Navios e Portos.

Os Estados podem processar as seguradoras dos proprietários dos navios ou, se for improvável que isso dê resultado, apelar ao Fundo Internacional de Compensação pela Poluição por Petróleo.

A documentação apresentada ao fundo incluiu amostras de alcatrão coletadas nas praias de Israel, descobertas da sonda do Ministério do Meio Ambiente, modelagem marinha realizada pela Pesquisa Oceanográfica e Limnológica de Israel, uma corporação governamental sem fins lucrativos e dados de satélite.

Na esteira do vazamento, a venda de peixes mediterrâneos foi temporariamente suspensa e as praias fechadas, com as primeiras 17 reabrindo apenas em 7 de março. Milhares de voluntários se reuniram durante muitos dias para ajudar na limpeza.

Autoridades que lidam com questões marítimas disseram não se lembrar de um incidente com uma extensão geográfica tão ampla. Os danos a longo prazo aos ecossistemas ainda precisam ser verificados.

Fonte: The Times of Israel
Foto: Yossi Aloni (Flash90)