IsraelNotícias

Gantz renuncia ao governo de emergência

Benny Gantz, Ministro do Gabinete de Guerra e ex-Chefe do Estado-Maior das Forças de Defesa de Israel (FDI), anunciou sua saída e de seu partido do governo de emergência ao qual aderiu no início da guerra, citando diferenças fundamentais na abordagem estratégica e a falta de progresso no sentido de alcançar uma vitória decisiva.

Gantz fez um discurso no domingo à noite em Kfar Maccabiah, explicando sua decisão e enfatizando o imperativo de priorizar os interesses do Estado de Israel.

“Meses após a catástrofe de outubro, a situação no país e na sala de tomada de decisão mudou. Netanyahu e os seus parceiros transformaram a unidade num apelo entusiasmado, sem cobertura na realidade. Decisões estratégicas são tomadas com hesitação e procrastinação devido a considerações políticas”, declarou Gantz, destacando a erosão da unidade e a incapacidade de enfrentar desafios críticos com determinação.

Expressando a sua frustração com a dinâmica política, Gantz enfatizou: “Netanyahu está nos impedindo de progredir para uma vitória real. É por isso que estamos hoje deixando o governo de emergência com pesar no coração, mas com todo o coração”. A sua decisão de demitir-se sublinharia o seu compromisso inabalável com o bem-estar do Estado de Israel, mesmo com custos pessoais e políticos.

Gantz também fez um apelo veemente ao primeiro-ministro Benjamin Netanyahu, pedindo-lhe que chegasse a um acordo para uma data para eleições, evitando uma maior polarização na sociedade israelense. “No outono, no aniversário do desastre, deverá haver eleições que eventualmente estabeleçam um governo que conquistará a confiança do povo e será capaz de enfrentar desafios”, afirmou Gantz, sublinhando a necessidade de uma liderança decisiva e de unidade nacional nos tempos de crise.

Além disso, Gantz lamentou o fracasso do governo em garantir a libertação dos israelenses sequestrados, reconhecendo, “fizemos muito, falhamos no resultado do teste. Ainda não conseguimos devolver muitos dos sequestrados para casa. A responsabilidade é minha também”. Apesar dos reveses, Gantz expressou confiança na resiliência e determinação das forças de segurança israelenses em continuar os seus esforços para garantir o regresso seguro de todos os sequestrados.

LEIA TAMBÉM

Questionado se participaria dos protestos antigovernamentais que atingiram o país nos últimos meses, Gantz disse que “os protestos são importantes desde que sejam realizados de acordo com a lei e não promovam o ódio. Nossos inimigos estão além das fronteiras e temos que lembrar disso”.

O Ministro Gadi Eisenkot também apresentou a sua carta de demissão a Netanyahu, acrescentando em uma nota manuscrita, “esperança por mudança, por um Israel forte e justo. Um legado e um futuro digno do nosso povo”.

Também o Ministro Hili Trooper apresentou sua carta de demissão e escreveu, “com um sentimento de privilégio por servir o país e com amor infinito pelo país e pelo povo de Israel”.

Netanyahu respondeu, “Israel está em uma situação existencial em várias frentes. Benny, agora não é hora de abandonar a guerra, é hora de unir forças. Cidadãos de Israel, continuaremos rumo à vitória, e até que consigamos alcançar os objetivos da guerra e, acima de tudo, a libertação dos nossos reféns e a eliminação do Hamas”.

“A minha porta está aberta a qualquer partido sionista que esteja preparado para fazer a sua parte e ajudar a trazer a vitória sobre os nossos inimigos e garantir a segurança dos nossos cidadãos”, acrescentou Netanyahu.

O Ministro das Finanças, Bezalel Smotrich, disse, “não há ato menos decoroso do que deixar o governo em tempos de guerra. Quando as ameaças do Norte aumentam, quando os reféns ainda morrem nos túneis do Hamas e quando dezenas de milhares de residentes são evacuados das suas casas e esperam de nós unidade. Isto é exatamente o que Sinwar, Nasrallah e o Irã procuravam e, infelizmente, o seu desejo foi concretizado”.

Fonte: Revista Bras.il a partir de i24NEWS, Israel National News e Iton Gadol
Foto: FDI

2 thoughts on “Gantz renuncia ao governo de emergência

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Pular para o conteúdo