Governo arquiva plano para praça igualitária no Kotel

O primeiro-ministro Naftali Bennett e o ministro de Assuntos Religiosos Matan Kahana decidiram congelar os planos para implementar o chamado acordo de compromisso do Muro das Lamentações, que acomodaria orações mistas no local sagrado de Jerusalém.

O acordo, há muito um ponto de discórdia entre o governo de Israel e os judeus da Diáspora, criaria um pavilhão de oração pluralista permanente no Muro das Lamentações, com representantes de correntes não ortodoxas do judaísmo compartilhando um papel de supervisão.

O acordo, negociado entre Israel e líderes da diáspora ao longo de mais de três anos, foi aprovado pelo governo liderado por Netanyahu em 2016, mas foi indefinidamente suspenso por Netanyahu em 2017, sob pressão de seus parceiros da coalizão ultraortodoxa. Bennett e Kahana decidiram congelar o plano novamente, e talvez desistir dele para sempre, de segundo o site Zman Yisrael.

A razão para a decisão dramática são os recentes confrontos violentos no Muro das Lamentações entre manifestantes ultraortodoxos e reformistas, e os esforços da direita para usar o acordo ainda não implementado para alimentar o incitamento na sociedade israelense e contra o governo.  “Decidimos não lidar com isso agora, ponto final”, disse Kahana a assessores no fim de semana.

A decisão de Bennett e Kahana vai contra os compromissos assumidos pelos líderes do partido em sua coalizão de governo, incluindo os recentes. A mudança poderia, portanto, desencadear desacordos dentro da coalizão, que representa um eleitorado diversificado e inclui partidos comprometidos em melhorar os laços com os judeus da Diáspora.

Fonte: Times of Israel

Foto: commons.wikimedia.org/wiki/File:Western_Wall_before_sunset.jpg