Israel restringe viagens à Inglaterra e à Dinamarca

O Ministério da Saúde expandiu sua lista de países “vermelhos” no domingo – países com altas taxas de infecção de COVID que os israelenses são proibidos de visitar – para incluir Inglaterra e Dinamarca, em meio à disseminação da variante do omicron em Israel.

A proibição de viagens a esses países entrará em vigor em 72 horas a partir de seu anúncio na noite de domingo. A entrada em Israel desses países também é proibida, mas a permissão pode ser concedida pelo comitê de exceções.

Anteriormente, o ministério disse que a Bélgica também será adicionada à lista de países proibidos, mas depois que a decisão foi reexaminada ela foi deixada fora da lista.

Outros 49 países foram designados como vermelhos, a maioria deles no continente africano. Há cerca de duas semanas, o primeiro-ministro Naftali Bennett aceitou a recomendação do Ministério da Saúde de adicionar a África do Sul, Lesoto, Botswana, Zimbábue, Moçambique, Namíbia e Eswatini à lista.

O ministro da Saúde, Nitzan Horowitz, acrescentou que o gabinete solicitará o reforço da aplicação da máscara e a exigência de mostrar um certificado de vacinação ou prova de recuperação nas empresas.

“Não há nada que desejemos mais do que que tudo continue aberto. É melhor evitar voos não essenciais para o exterior”, disse.

“A política do Passaporte Verde será ampliada”, acrescentou ele, “mas essas diretrizes não significam nada se a medida não for aplicada.”

Israel confirmou mais 15 casos de omicron no domingo, elevando o total nacional para 67. Outras 80 pessoas são suspeitas de ter contraído a variante COVID, mas os resultados dos testes ainda não retornaram.

 

Fonte: Haaretz
Foto: Revista Bras.il