Hotéis em Belém fora do plano de reabertura de turismo

Os planos de Israel de reabrir para turistas estrangeiros vacinados em 1º de novembro, e que deve ser divulgado nos próximos dias, irritaram a Autoridade Palestina, pois os visitantes não poderão pernoitar em hotéis em Belém.

O diretor-geral da Associação de Operadores de Turismo de Israel, Yossi Fatael, estima que, antes da Covid, 20% dos visitantes de Israel pernoitavam em hotéis em Belém, o que representa centenas de milhares de noites de hotel por ano. “Os hotéis em Belém são administrados, na prática, como um bairro em Jerusalém”.

São principalmente turistas que vêm com grupos organizados da Europa Oriental e da África, cuja principal consideração para se hospedar nos hotéis de Belém é o preço barato e a proximidade de locais sagrados cristãos. Esses grupos usam ônibus turísticos palestinos e guias turísticos palestinos e mudam para ônibus e guias israelenses no posto de controle perto de Gilo.

Fatael explicou: “Antes da Covid, a Autoridade Palestina era parte integrante do produto turístico israelense. Agora, com a retomada do turismo, é a questão da saúde e não a econômica que decide, e é óbvio que com o início de um gotejamento do tráfego turístico em direção a Israel haverá forte competição entre os hotéis de Jerusalém e Belém, o que não existia antes da crise da Covid, mas agora a oferta vai superar a demanda”.

A partir de 1º de novembro, é esperado um turismo ainda limitado, já que apenas apenas turistas de 40 países (principalmente da UE) com os quais Israel tem um acordo mútuo de vacinação contra a Covid terão permissão para entrar em Israel. Esses visitantes devem ter sido vacinados três vezes, ou duas vezes se a segunda vacinação foi há menos de seis meses.

LEIA TAMBÉM

 

Uma exceção será feita para um máximo de 1.000 pessoas em grupos turísticos por dia, desde que tenham sido vacinadas duas vezes. No momento, Israel não tem nenhum acordo mútuo de vacinação com os EUA, Canadá e Reino Unido, mas espera-se que haja um acordo.

Mesmo antes de Covid, os turistas não podiam entrar na região da Autoridade Palestina, em Belém, sem permissão especial das FDI. Mas, na prática, os turistas podiam cruzar de Jerusalém a Belém sem obstáculos.

Com as fronteiras de Israel reabrindo aos turistas pela primeira vez desde março de 2020, a Autoridade Palestina está ansiosa por turistas e seu dinheiro e furiosa com as restrições impostas a eles.

O Ministério da Saúde de Israel declarou: “O plano de turismo para pequenos grupos foi cuidadosamente elaborado para garantir uma visita segura a Israel para os turistas. Na primeira fase, a acomodação só foi aprovada para locais que funcionem de acordo com o regulamento do passaporte verde”.

A ministra palestina do Turismo, Rula Maayah, dará uma coletiva de imprensa sobre o assunto e protestou tanto com oficiais militares israelenses quanto com ministros do governo.

As agências palestinas de turismo também estão em contato com agências de turismo em Israel. O turismo na Autoridade Palestina crescia rapidamente antes da pandemia de Covid e era um dos principais setores econômicos, com Belém e Jericó sendo as principais cidades visitadas.

Um porta-voz do Ministro de Cooperação Regional de Israel, Issawi Frej, afirmou: “A abertura da temporada turística em Belém e na Autoridade Palestina é importante para reabilitar a economia palestina e é do interesse conjunto de israelenses e palestinos. É por isso que estamos trabalhando com as organizações envolvidas, tanto israelenses quanto palestinas, para ajudar a formar um plano que garanta uma solução segura e saudável e uma solução econômica e turística que permita o retorno dos turistas aos hotéis de Belém e outras cidades palestinas, agora e antes do Natal”.

Fonte: Noticias de Israel
Foto: Jean & NathalieCC BY 2.0 (Wikimedia Commons)