Iniciativas para reconciliação entre árabes e judeus

As empresas líderes na economia israelense estão lançando uma campanha de reconciliação conjunta que pedirá “responsabilidade e respeito mútuos” para impedir a deterioração. Um vídeo mostra trabalhadores judeus e árabes ganhando a vida juntos e vivendo juntos, pedindo o fim da violência. Participam do vídeo a Histadrut e a Associação das Indústrias, bem como os maiores empregadores da economia: Banco Hapoalim, Grupo Fox, Tnuva, Shufersal, Osem, HOT, Livnat Poren, Strauss, Be e Maccabi.

O Banco Leumi foi um dos primeiros a hastear a bandeira da reconciliação. O presidente Samer Haj Yahya e o CEO Hanan Friedman emitiram uma declaração conjunta em hebraico e árabe pedindo calma: “No momento, todos enfrentamos desafios de segurança complexos que afetam cada um de nós – de todas as religiões e do espectro político – a bússola de tolerância, consideração pelo outro, doação e paz. As pessoas, o país, a religião e a comunidade em que vivemos são importantes para todos nós. É nosso direito expressar opiniões diversas, mas com respeito e tolerância mútuos e com o compromisso de manter uma sociedade próspera e de qualidade. Vamos pensar nos nossos filhos, no nosso futuro, neste lugar importante para todos nós”.

Os presidentes dos centros comunitários (“matnass”) fizeram um apelo conjunto para o fim da violência: “Nosso Israel está passando por dias difíceis de violência e ódio. Nós, judeus e árabes, seculares, religiosos e ultra-ortodoxos, clamamos pelo fim do ódio e da violência! Apesar das diferenças, acreditamos no bem comum. Vamos curar a sociedade de uma epidemia não menos severa que a corona. Todos devemos participar da guerra contra o vírus do ódio e da violência que ameaça erguer nossas cabeças e destruir o tecido da vida comum que construímos com grande esforço”.

Os centros comunitários judeus e árabes se oferecem para hospedar pessoas necessitadas no sul do país, com ênfase em programas destinados a encorajar a coexistência.

LEIA TAMBÉM

O fórum socioeconômico postou no Facebook: “A sociedade israelense está passando por dias difíceis e instáveis, e não devemos ficar indiferentes a isso. O tecido comum construído ao longo dos anos está na situação mais sensível de todas. Não devemos ficar calados e ficar de lado, devemos condenar qualquer violência. Condenamos veementemente todos os atos de violência e clamamos pelo fim do discurso acalorado de ambos os lados”.

O Grupo Strauss escreveu: “Este é um momento de construir pontes, um momento de união. Estamos passando por momentos difíceis nos últimos dias. Frustração, dor, preocupação e raiva estão interligadas. Nossa realidade nos mostra que convivência é uma palavra complexa e, infelizmente, sua existência é particularmente frágil”.

A equipe de responsabilidade social de “Chutando o Racismo e a Violência para Fora dos Campos” também se juntou ao esforço e produziu um vídeo de reconciliação.

O Banco de Jerusalém também postou no Facebook uma foto de funcionários do banco, árabes e judeus, juntos. “Também é possível de outra forma. A coexistência no Banco de Jerusalém”, estava escrito em uma foto na qual os trabalhadores eram fotografados com placas em hebraico e árabe com as legendas “Olá” e “Somos uma família unida”.

As faculdades tecnológicas, que têm cerca de 30.000 alunos de norte a sul, e onde judeus, árabes, muçulmanos e cristãos estudam e ensinam, bem como ultraortodoxos, religiosos e seculares – clamam pelo fim do ódio e da violência.

Fonte: Calcalist
Foto: montagem de captura de tela

2 thoughts on “Iniciativas para reconciliação entre árabes e judeus

Fechado para comentários.