Israel promete serviço 4G para palestinos

Israel concordou provisoriamente em permitir que as companhias de telefonia celular palestinas criem redes móveis de quarta geração, permitindo-lhes usar uma tecnologia considerada padrão em grande parte do mundo, como parte de uma série de medidas destinadas a fortalecer a Autoridade Palestina.

A aprovação, que ainda não foi finalizada, foi apresentada formalmente durante uma recente reunião a portas fechadas entre equipes de telecomunicações israelenses e palestinas, disseram autoridades israelenses e palestinas ao The Times of Israel.

“O sistema 4G estará disponível para os palestinos o mais rápido possível. Já foi discutido e acordado”, disse um alto funcionário israelense envolvido no avanço da iniciativa.

Israel não permite que os provedores de celular palestinos atualizem suas redes há anos, deixando a maioria dos palestinos na região da Samaria e Judeia e Gaza com conexões mais lentas do que em Israel e em grande parte do mundo.

Um porta-voz do Ministério da Defesa não respondeu ao pedido de comentários sobre a justificativa para a retenção do acesso às redes atualizadas.

O acordo foi firmado em um momento em que autoridades do governo israelense disseram que esperam promover iniciativas para melhorar o dia-a-dia dos palestinos. Autoridades israelenses disseram que o fortalecimento da Autoridade Palestina, incluindo a melhoria das telecomunicações, ajudará a manter a calma na área.

LEIA TAMBÉM

Equipes de telecomunicações israelenses e palestinas realizaram uma reunião privada em 14 de novembro, onde autoridades israelenses teria expressado sua aprovação provisória para a atualização do 4G.

“Em breve veremos um acordo formal assinado. As equipes técnicas dos dois lados começarão a trabalhar o mais rápido possível”, disse o funcionário israelense, estimando que nos próximos meses o avanço será realizado.

Um funcionário da Autoridade Palestina disse que os israelenses ainda não fizeram uma oferta concreta de qual largura de banda seria disponibilizada aos palestinos. Uma proposta israelense anterior, em 2019, foi rejeitada pelos palestinos porque fornecia apenas um pequeno número de frequências para empresas de celular palestinas, acrescentaram.

De acordo com o oficial, a Autoridade Palestina pediu a Israel que se baseasse em um estudo independente sobre a questão 4G encomendado pelo Escritório do Quarteto, um organismo internacional que apoia o desenvolvimento econômico palestino.

“De qualquer forma, depois de encerrarmos as discussões técnicas e recebermos as frequências para 4G, nossas empresas precisam de seis meses a um ano para importar o equipamento do exterior e lançar e operar o sistema 4G”, acrescentou o funcionário.

Mesmo a tão esperada introdução de uma rede 4G mais rápida deixaria as operadoras palestinas um passo atrás de suas contrapartes israelenses. Israel já está implementando redes 5G super-rápidas em todo o país, com velocidades pelo menos 10 vezes maiores do que seu antecessor.

A falta de acesso a velocidades mais rápidas de serviço de celular representa um sério obstáculo ao desenvolvimento econômico palestino, de acordo com observadores.

O empresário palestino-americano Sam Bahour, membro fundador da Paltel, a provedora nacional de telecomunicações, disse que as empresas palestinas precisam de acesso a redes mais rápidas para prosperar.

“Considere o desenvolvimento de aplicativos móveis. As novas tecnologias abrem as portas para o desenvolvimento de novos tipos de aplicativos. Essa porta está fechada na Palestina por nossa falta de capacidade de interagir com as novas tecnologias”, disse Bahour.

“Este é um jogo muito cruel que está sendo jogado. Não tem nada a ver com o desenvolvimento do setor de telecomunicações”, disse Bahour. “Tem muito mais a ver com política: Israel quer falar que isso ‘econômico’ e não ‘político’”.

As empresas israelenses de telefonia celular operam amplamente na Samaria e Judeia e a cobertura atinge a maioria das áreas palestinas. Muitos palestinos usam redes de celulares israelenses, que são mais baratas e oferecem um serviço mais rápido, em vez de ficar com suas contrapartes palestinas mais lentas.

Fonte: The Times of Israel
Imagem: ADMC (Pixabay)