Israel se prepara para possível confronto com Gaza

Israel disse estar se preparando para um possível confronto com Gaza após repetidos disparos de foguetes.

O Canal 12 informou no sábado que, se a decisão de Israel de fechar sua passagem de pedestres com Gaza não reduzir os ataques com foguetes, os militares estão prontos para retomar os ataques de retaliação ou até mesmo iniciar uma operação mais ampla.

Israel evitou responder militarmente a três foguetes disparados de Gaza, governado pelo grupo terrorista Hamas, depois de ter realizado várias operações esta semana em resposta a ataques semelhantes, optando por fechar temporariamente sua única passagem de pedestres com a Faixa de Gaza, a Passagem de Erez.

Com trabalhadores palestinos empregados em Israel trazendo milhões de shekels por dia para a Faixa de Gaza, Jerusalém espera que a pressão econômica convença o Hamas a reprimir os lançamentos de foguetes, que acredita estarem sendo realizados por outros grupos na Faixa.

“Ninguém está descartando a possibilidade de lançamentos de foguetes, mas as FDI estão prontas para todos os cenários potenciais, desde uma resposta pontual até uma ofensiva mais ampla”, disseram autoridades de segurança não identificadas ao site Walla. “Ninguém quer isso do lado israelense, mas não há intenção de ficar de lado e esperar que a paz volte”.

De acordo com o COGAT-Coordenador das Atividades Governamentais nos Territórios, a ligação dos militares com os palestinos, a passagem não será reaberta para os trabalhadores palestinos no domingo. Ela está fechada desde a tarde de quinta-feira devido ao feriado de Pessach.

LEIA TAMBÉM

“A reabertura da passagem será decidida de acordo com uma avaliação situacional de segurança”, disse em comunicado o COGAT.

Exceções serão feitas para casos humanitários e outros casos pendentes, mas requerem a aprovação da COGAT.

O número de palestinos na Faixa de Gaza que podem trabalhar em Israel aumentou para 12.000 no mês passado, e o governo disse que aumentaria em mais 8.000, chegando a um total de 20.000.

Na sexta-feira à noite, dois foguetes foram lançados de Gaza. Um caiu em um campo aberto no conselho regional de Sha’ar Hanegev, sem causar danos, enquanto o segundo ficou aquém da fronteira, no norte de Gaza, segundo os militares. Horas depois, um terceiro foguete foi disparado do sul da Faixa de Gaza, caindo em uma área aberta perto de uma cidade próxima à fronteira.

Durante a semana, um foguete lançado de Gaza caiu dentro do território na quinta-feira, um caiu perto de uma casa na cidade de Sderot na quarta-feira e outro foi abatido por defesas aéreas na segunda-feira.

Não houve reivindicação imediata de responsabilidade por nenhum dos grupos terroristas baseados em Gaza pelo lançamento de foguetes, embora o ataque de segunda-feira tenha sido atribuído à Jihad Islâmica Palestina (PIJ) em vários relatos da mídia.

O porta-voz do Hamas, Hazem Wasssem, disse que o fechamento da Passagem de Erez “visa aumentar o cerco e é uma forma de agressão que não podemos aceitar”.

“Isso não vai dar certo. A política de punição coletiva contra os palestinos sempre falhou”, disse ele à Associated Press.

Muhammad al-Hindi, chefe do escritório político da PIJ, condenou o fechamento da travessia, acusando Israel de “tentar isolar Gaza”.

As críticas à medida também foram expressas por moradores das comunidades fronteiriças de Israel, que expressaram contrariedade com a decisão de não responder mais agressivamente ao lançamento de foguetes de sexta-feira à noite, mas de impor apenas sanções civis.

“Isso não nos surpreende”, disse Albert Gabay, morador de Sderot, ao site Walla no sábado. “Estou preocupado não apenas com Sderot, mas com tudo o que está acontecendo no país nos dias de hoje. Se você não responder, a dissuasão é prejudicada. Agora a dissuasão está muito baixa. Eles tiveram que responder para que o tiroteio não continuasse”.

Gabay culpou a política interna do governo e o desejo de não perturbar o partido islâmico Ra’am da coalizão pela política.

Merav Cohen, que vive no Kibutz Ein HaShlosha, disse que, apesar dos danos mínimos causados ​​pelos foguetes, os lançamentos estão prejudicando a soberania de Israel na região fronteiriça.

“Devemos trazer de volta a dissuasão, devemos responder a cada foguete”, disse ela. “O Estado de Israel não pode permitir o lançamento de foguetes em seu território soberano sem qualquer resposta. Isso transmite que esse tipo de situação é normal”.

Cohen também disse que Israel teria respondido de maneira muito mais dura se os foguetes tivessem sido disparados ao centro do país.

Os ataques com foguetes desta semana encerraram um período de quase quatro meses de silêncio na fronteira de Gaza. O lançamento de foguetes de quarta-feira ocorreu no final de um dia de tensão em Jerusalém, onde nacionalistas israelenses foram impedidos pela polícia de marchar pelo Portão de Damasco da Cidade Velha, um ponto de encontro popular para palestinos em Jerusalém Oriental. O Hamas ameaçou atacar se a marcha prosseguisse.

Nos últimos dias, houve confrontos violentos entre manifestantes palestinos e a polícia no Monte do Templo em Jerusalém, deixando dezenas de feridos.

O Hamas e outros grupos terroristas baseados em Gaza invocaram repetidamente o local sagrado como uma linha vermelha. As ações da polícia para reprimir os tumultos no ano passado foram um dos estopins da guerra de 11 dias em Gaza em maio.

Os críticos lamentam o impacto do bloqueio sobre os moradores comuns de Gaza, cerca de 50% dos quais estão desempregados, de acordo com o Escritório Central de Estatísticas da Palestina. As altas taxas de pobreza tornam o emprego em Israel uma opção altamente atraente para aqueles que têm a sorte de receber permissões.

Fonte: The Times of Israel
Foto: Avichai Socher (אביחי סוחר) (IDF Spokesperson’s Unit)

One thought on “Israel se prepara para possível confronto com Gaza

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.