Israelenses presos na Turquia voltam para casa

Natali e Mordi Oknin, o casal israelense preso em Istambul por fotografar a casa do presidente turco Recep Tayyip Erdogan, foram libertados e retornaram a Israel na manhã desta quinta-feira.

“Após esforços conjuntos junto à Turquia, o casal Mordi e Natali Oknin foi libertado da custódia e está a caminho de Israel neste exato momento”, dizia um anúncio do primeiro-ministro Naftali Bennett e do ministro do Exterior Yair Lapid na manhã de quinta-feira. “Agradecemos ao presidente da Turquia e seu governo por sua cooperação e damos as boas-vindas ao casal Oknin”.

Bennett e Lapid agradeceram à família Oknin por se manter firme na “complexa situação” e por cooperar aberta e calorosamente com o Ministério do Exterior. Eles também expressaram um agradecimento especial ao presidente israelense Isaac Herzog por seus esforços para trazer o casal para casa.

Herzog também deu as boas-vindas ao casal na volta para casa, tweetando “Natali e Mordi – que bom que vocês voltaram para casa e parabenizou Bennett e Lapid e todos os que trabalharam para libertar o casal e agradeceu a Erdogan e seu governo por sua cooperação.

Os Oknin, motoristas de ônibus da Egged que moram em Modi’in, tiraram a foto do palácio de Erdogan enquanto estavam na Torre Camlica, a torre mais alta da Europa inaugurada no início deste ano. Uma garçonete os ouviu falar sobre o assunto e os denunciou à polícia, que os prendeu, e a um amigo turco que os acompanhou em sua visita.

LEIA TAMBÉM

O cônsul de Israel em Istambul, Ronen Levi, visitou Natali, e o cônsul-geral Udi Eitam visitou Mordy na terça-feira. Os diplomatas também se encontraram com as autoridades prisionais para garantir que o casal estivesse sendo mantido em condições de vida adequadas. Eles lhes deram roupas e suprimentos.

Na terça-feira, o ministro do Interior turco, Süleyman Soylu, acusou o casal de “espionagem militar e política”, levantando preocupações de que a questão seria prolongada.

A mídia turca afirmou que o casal compartilhou a foto que tirou em um grupo do WhatsApp e escreveu informações técnicas sobre a torre, mas a filha dos Oknin, Shiraz Ben-Harosh, disse à mídia israelense que não recebeu nenhuma foto do prédio.

A polícia turca recomendou originalmente a deportação dos Oknin e notificou Israel de seus planos. No entanto, a promotoria os acusou de espionagem. Na sexta-feira, um tribunal estendeu a prisão preventiva por pelo menos 20 dias, enquanto a promotoria preparava o caso para um julgamento.

Fonte: The Jerusalem Post
Foto: Ministério do Exterior