Arte, Cultura e EsportesNotícias

Jericó pode ser Patrimônio Mundial palestino

O Comitê do Patrimônio Mundial da UNESCO deve listar o local da antiga Jericó, que agora é um parque arqueológico localizado na atual cidade palestina, na região da Samaria e Judeia, como parte do “Estado da Palestina”.

A antiga cidade de Jericó está localizada em uma área do Vale do Jordão, também conhecida como Área A da Judeia e Samaria, que está sob o controle da Autoridade Palestina.

É um dos 53 locais naturais e culturais a serem votados pelo Comitê do Patrimônio Mundial quando se reunir em setembro na Arábia Saudita.

A UNESCO reconheceu a Palestina como um estado desde 2011. Desde então, inscreveu três outras propriedades da Judeia e Samaria: a Igreja da Natividade em Belém em 2012, os antigos terraços Battir em 2014, e a Cidade Velha de Hebron, incluindo o Túmulo dos Patriarcas, em 2017.

A Autoridade Palestina apresentou pedidos para que o Comitê do Patrimônio Mundial da UNESCO reconheça 13 outros locais além da antiga Jericó durante reuniões futuras.

Entre eles, Sebastia, o local da ex-capital do antigo norte de Israel e as cavernas de Qumran, onde os Manuscritos do Mar Morto foram descobertos.

LEIA TAMBÉM

O Comitê do Patrimônio Mundial inscreveu nove locais em Israel, o último dos quais foram as Cavernas de Maresha no Parque Nacional Beit Guvrin-Maresha, em 2014.

A inscrição de outros sítios israelenses no Programa de Patrimônio Mundial foi complicada por considerações políticas.

Israel e os Estados Unidos suspenderam suas contribuições anuais à UNESCO, em 2011, para protestar contra o reconhecimento da Palestina como um estado pela organização.

Ambos os países perderam o direito de voto na organização como resultado, de 2013. Eles se retiraram no final de 2018 para protestar contra o viés anti-Israel da organização, movimento que entrou em vigor em 2019.

Os Estados Unidos voltaram a ingressar na UNESCO neste verão, e a primeira-dama Jill Biden viajou para a sede da organização em Paris em julho para celebrar os novos laços da América com a organização.

Israel não fez nenhuma declaração pública sobre sua intenção de aderir novamente à UNESCO. A sua ausência na organização complica qualquer trabalho de inscrição de mais sítios Patrimônio Mundial.

O Comitê do Patrimônio Mundial é composto por 21 membros votantes: Argentina, Bélgica, Bulgária, Egito, Etiópia, Grécia, Índia, Itália, Japão, Mali, México, Nigéria, Omã, Catar, Rússia, Ruanda, São Vicente e Granadinas, Arábia Saudita, África do Sul, Tailândia e Zâmbia.

Jericó se orgulha de ser a cidade habitada mais antiga do mundo, com mais de 10.000 anos, e no ponto mais baixo abaixo do nível do mar entre todas cidades. A cidade de Jericó é famosa pela história bíblica em que Josué e os antigos israelitas derrubaram suas muralhas marchando ao seu redor e tocando trombetas.

A Autoridade Palestina em seu pedido à UNESCO, que apresentou em 2020, escreveu: “A longa e diversificada história de Jericó conta a trajetória de 10.000 anos de civilização humana. Testemunhando alguns dos marcos culturais mais significativos da história da humanidade, é uma das cidades mais antigas da Terra e não tem paralelo em toda a história da humanidade. Jericó é um exemplo único de assentamentos bem documentados de diferentes estágios de desenvolvimento da civilização humana”.

O Ministério do Turismo da Autoridade Palestina administra um parque arqueológico no local das ruínas mais antigas da cidade. No entanto, as FDI proíbem os israelenses de visitar a Área A e eles não têm permissão para visitar o local.

Fonte: Revista Bras.il a partir de The The Jerusalem Post
Foto: Wikimedia Commons

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *