OLP oferece seus escritórios a ONGs fechadas por Israel

Em um desafio direto a Israel, a OLP ofereceu sua sede em Ramallah como escritório temporário para as organizações não governamentais palestinas que foram fechadas pelas forças de segurança israelenses na semana passada por causa de seus laços com a Frente Popular de Libertação da Palestina (FPLP).

Na semana passada, soldados invadiram e fecharam os escritórios da Associação de Apoio a Prisioneiros e Direitos Humanos de Addameer, Al-Haq, União de Comitês de Mulheres Palestinas, União de Comitês de Trabalho Agrícola, Centro Bisan para Pesquisa e Desenvolvimento, capítulo da Palestina do Comitê de Genebra Defence for Children International e o Union of Health Work Committees.

A medida veio depois que as autoridades israelenses declararam, no ano passado, os grupos como organizações terroristas por serem filiadas à FPLP.

A decisão de permitir que as organizações reabrissem seus escritórios na sede da OLP em Ramallah foi anunciada pelo Departamento de Direitos Humanos da OLP após uma reunião de emergência no domingo.

A reunião, que contou com a presença de representantes das organizações e vários altos funcionários palestinos, foi realizada para discutir as repercussões da repressão de segurança israelense sobre as ONGs.

Não foi informado se as ONGs aceitaram a oferta de se mudar para a sede da OLP.

Um alto funcionário da OLP, Wasel Abu Yusef, disse que autoridades palestinas realizariam mais discussões para discutir formas de enfrentar a decisão de fechar as ONGs.

LEIA TAMBÉM

O vice-presidente do Fatah, Mahmoud al-Aloul, teria dito que a decisão israelense era “parte de seus crimes que pratica diariamente contra nosso povo e todas as suas instituições e locais sagrados”.

Ahmad Tamimi, chefe do Departamento de Direitos Humanos da OLP, disse que os escritórios do departamento estão abertos como sede temporária das instituições fechadas pelas autoridades israelenses.

Ele disse que seu departamento estava totalmente preparado para fornecer apoio e assistência às ONGs.

Shawan Jabarin, diretor-geral da Al-Haq, condenou a decisão israelense de fechar as ONGs como “um passo político visando tudo o que é palestino, incluindo a narrativa, identidade e existência, porque a sociedade civil é parte da sociedade palestina”.

Ele disse que recebeu um telefonema de um oficial de inteligência de Israel que o convocou para uma reunião. O oficial o alertou para não violar a ordem de fechar as ONGs, disse Jabarin.

Murad al-Sudani, secretário-geral da União Geral de Escritores Palestinos, disse que o fechamento das ONGs foi um ataque a todos os palestinos, o que “exige unidade para enfrentá-lo através da OLP, o único representante legítimo do povo palestino”.

No sábado, o presidente da Autoridade Palestina, Mahmoud Abbas, se reuniu com representantes das ONGs em seu escritório e disse a eles que os palestinos rejeitaram a decisão israelense.

“Essas instituições de direitos humanos continuarão seu trabalho para expor a ocupação e seus crimes contra nosso povo, porque essas instituições operam de acordo com a lei palestina”, disse ele à Wafa, a agência oficial de notícias da AP. “Todos devemos nos unir e enfrentar essa política israelense que insiste em avançar com a política de ações unilaterais, ignorando todos os acordos assinados entre os dois lados e violando o direito internacional”.

A AP mantinha contatos intensivos com várias partes para impedir as “provocações” israelenses contra as instituições palestinas, disse Abbas.

O primeiro-ministro da AP, Mohammad Shtayyeh, também defendeu as ONGs, descrevendo-as como um “componente importante do tecido nacional palestino”. As ONGs são instituições legais registradas no governo da AP e operam dentro da estrutura da lei, disse ele.

Fonte: The Jerusalem Post
Foto: Unknown IFB member, CC BY 4.0 (Wikimedia Commons)