Judeus da Ucrânia decepcionados com Israel

Yonatan Markovich, um rabino em Kiev, disse no domingo que ele e outros enviados do Chabad à Ucrânia permanecem no país, apesar dos avisos de uma iminente invasão russa.

Rav Markovitch disse ao Walla News que a comunidade está armazenando comida e colchões na sinagoga para se preparar para a possibilidade de os judeus se reunirem ali antes de uma evacuação. Markovitch disse que, além das preocupações com uma possível evacuação, ele está preocupado com o aumento do antissemitismo estimulado pela situação, dizendo que “para os nacionalistas, os judeus são sempre os culpados”.

Esse medo é compartilhado por Rav Yaakov Bleich, rabino-chefe de Kiev, e ele está desapontado com o fato de o governo israelense não estar fazendo mais para ajudar. “O Estado de Israel não faz nada pela comunidade judaica na Ucrânia, a menos que estejam considerando fazer aliá”.

“O governo israelense se preocupa principalmente com seus cidadãos e isso é uma pena”, relatou ao Jerusalem Post.

Rav Bleich disse: “Perguntei às autoridades israelenses que falaram conosco: ‘E a segurança?’ Afinal, o mais importante agora é aumentar a confiança nas comunidades locais de que não haverá provocações contra os judeus, como os russos sabem fazer. Em segundo lugar, as comunidades precisam de ajuda alimentar por algumas semanas. Precisamos armazenar alimentos para nossas casas de repouso, orfanatos, comunidades, yeshivot, internatos e outros. O Ministério da Diáspora disse que talvez eles consigam convencer o Gabinete do Primeiro-Ministro a nos ajudar”.

Tanto Rav Bleich quanto Rav Shlomo Baksht, fundador do orfanato judaico Tikva em Odessa, na Ucrânia, disseram que também estão enfrentando grandes dificuldades porque a Agência Judaica, em cooperação com o Ministério da Educação de Israel, ordenou todos os seus emissários a deixar a Ucrânia imediatamente.

LEIA TAMBÉM

“Nossos professores receberam ordens de deixar a Ucrânia”, disse Rav Baksht. “Podemos administrar a partida dos jovens voluntários de volta a Israel, mas ter esses professores saindo abruptamente durante esse período difícil pode causar grandes danos às nossas 300 crianças. Os professores estão moral e psicologicamente ligados aos orfanatos. Se eles os abandonarem neste momento difícil, será devastador e levará tempo e recursos para reconquistar a confiança dos órfãos”.

Rav Baksht acrescentou que os professores estão dispostos a ficar, mas o Ministério da Educação de Israel não permitirá que eles o façam. “Eles me pediram para ajudá-los. Eles estão até dispostos a desistir de sua afiliação com o Ministério da Educação, mas foram informados de que isso pode sair pela culatra quando eles retornarem a Israel. No passado, quando os professores saíam imediatamente, isso causava problemas de abandono que tínhamos que lidar com um psicólogo”.

Segundo Rav Bleich, “os israelenses forçaram todos os emissários a sair, mas havia aqueles que não queriam sair. Infelizmente, eles foram ameaçados por seus superiores em Israel no Ministério da Educação. Os emissários queriam ficar, mas o Ministério da Educação não permitiu”.

A Federação das Comunidades Judaicas da Antiga União Soviética, afiliada ao Chabad, encheu seus armazéns com arroz, trigo e alimentos enlatados, bem como com lanternas portáteis e baterias.

Um dos dirigentes da Federação disse ao The Jerusalem Post: “Como vimos alguns meses atrás, durante a agitação no Cazaquistão, a internet e os sistemas de comunicação foram todos derrubados. Os russos são tão poderosos que podemos presumir que podem sabotar os sistemas de comunicação ucranianos. Portanto, enviamos a dezenas de comunidades os telefones por satélite mais atualizados e estamos trabalhando na compra de mais para garantir que todas as comunidades na Ucrânia possam se comunicar umas com as outras e conosco em um momento de necessidade”.

Rav Yitzchak Wolf, o Rabino-Chefe de Kherson, disse à Rádio Kol Chai: “Como fiéis emissários do Rebe, nem temos o privilégio de pensar em partir. Somos o principal apoio dos residentes judeus locais e vamos ficar com eles”.

“Estamos armazenando alimentos e outros suprimentos para que, se algo acontecer, estejamos preparados”.

Fonte: The Yeshiva World
Foto ilustrativa: lev radin (Shutterstock). Protesto em defesa da manifestação da Ucrânia contra a agressão russa na Union Square, Nova York, 22/01/2022.

One thought on “Judeus da Ucrânia decepcionados com Israel

Fechado para comentários.