BlogsNelson Menda

Luz no fim do túnel?

Por Nelson Menda

Muitas vezes é difícil enxergar a realidade no meio de um entrevero, como eram denominadas as brigas no meu saudoso Rio Grande do Sul. Mas, à medida que a poeira vai sentando, as coisas começam a ficar mais claras e o que parecia ser extremamente confuso e complicado vai ficando, pouco a pouco, mais e mais nítido. Só é preciso ter paciência e aguardar que o próprio tempo se encarregue de mostrar com clareza de que lado está a razão e o bom senso.

Quando me refiro à paciência estou valorizando o tempo, que parece não ter a menor pressa quando se aguarda, com uma natural ansiedade, o desfecho dos acontecimentos. No presente caso, exatos 44 anos desde o tempo em que o Irã era governado pela dinastia da família Pahlevi. Mais precisamente, por Mohammad Reza Pahlevi, mais conhecido como . Reza Pahlevi, o último soberano a governar aquele país, descendia de uma tradicional família persa. O Irã estava realizando suntuosas comemorações para celebrar os mil anos da monarquia, com festas para as quais os mais importantes chefes de estado de todo o mundo tinham sido convidados. Uma parte da sua população, naquela ocasião, cultivava hábitos ocidentais e as mulheres que assim o desejassem possuíam total liberdade para estudar, trabalhar e se vestir.

Lamentavelmente, enquanto aquele país vivia uma aparente fase de bonança, a corrupção nas hostes governamentais corria solta. Um grupo de clérigos xiitas, liderados por um Aiatolá de nome Khomeini procurava solapar a estrutura governamental, utilizando o que havia de mais moderno na tecnologia de comunicação de massas da época. Pode parecer prosaico, mas eram, pura e simplesmente, gravações em fitas de áudio denominadas K-7. Distribuindo sermões supostamente moralistas, na realidade ele defendia a sharia, uma volta ao atraso da era medieval, que condenava os excessos do chamado liberalismo mas que, na realidade, pregava, de forma nada subliminar, o retorno a uma moral muçulmana xiita compatível com a Idade Média.

Um suposto combate à corrupção serviu de estopim para enfraquecer as frágeis bases que sustentavam o governo do Xá, que dirigia o país com mão de ferro e uma força policial, denominada Savak, que usava e abusava da violência contra seus opositores. Uma parcela considerável da opinião pública mundial e grande parte da população iraniana via com bons olhos aquele “velhinho barbudo” que, aparentemente, queria somente restituir a moral e os bons costumes ao seu povo. O país era rico em petróleo e minérios, explorados por multinacionais que visavam o lucro e mantinham excelentes relações com os detentores do poder.

Apesar da economia estar equilibrada, o desemprego grassava entre os profissionais não qualificados e os partidos de extrema esquerda acenavam com a promessa de implantação de uma malfadada ditadura de proletariado. Estavam criadas, portanto, as condições para a eclosão da chamada “tempestade perfeita”.

As passeatas e manifestações de rua contra o governo do Xá, de início pacíficas, foram se avolumando, sob inspiração do Aiatolá Ruhollah Khomeini que, de seu exílio em Paris, gravava e enviava para o Irã fitas de áudio em que pregava a derrubada da dinastia Pahlevi. Quem recebia uma dessas fitas era estimulado a fazer cópias e encaminhá-las para o maior número possível de pessoas descontentes com o governo do Irã. Foi um processo de multiplicação contínua que, ao que tudo indica, funcionou.

Os protestos se avolumaram de tal forma que o Xá precisou sair às pressas do Irã, ante a iminência de ser preso e entregue ao populacho, que exigia sua cabeça. Khomeini regressou ao país de forma triunfal, à frente de manifestações populares que chegaram a congregar dois milhões de pessoas nas ruas de Teerã, a capital do país.

Com a vitória dos revoltosos, ao invés de fazer brotar um regime democrático, o que se viu foi a chegada de uma feroz ditadura de fundo religioso, baseado na Sharia, a lei islâmica, que acabou remetendo o Irã a um passado obscuro e retrógrado.

Turbas enfurecidas sitiaram a Embaixada dos Estados Unidos, país qualificado pela liderança religiosa iraniana como “O Grande Satã”. Após um prolongado cerco, o prédio da embaixada norte-americana em Teerã foi invadido e saqueado. Os 52 diplomatas e funcionários que estavam em seu interior aprisionados e mantidos em cárcere por exatos 444 dias. Não sou especialista em direito internacional, mas sempre acreditei que o espaço de uma representação diplomática deve ser respeitado, mas não foi o que aconteceu.

Foi instalado, naquela ocasião, um odioso regime teocrático que vem infelicitando o Irã há exatos 44 anos. As mulheres foram obrigadas, sob as penas da rigorosa lei islâmica, a cobrir a cabeça sempre que saíssem à rua, precisando obedecer cegamente aos seus maridos. A prática do homossexualismo passou a ser punida com pesadas penas, que podiam incluir a própria morte. Quanto a Israel, transformou-se no alvo preferencial do ódio governamental, juntamente com os Estados Unidos.

Ao invés de estimular o progresso e a melhoria das condições de vida do seu povo, o regime iraniano passou a investir pesadamente na criação de armas de destruição em massa, com o uso de energia nuclear para fins nada pacíficos. Além disso, procurou exportar sua odiosa ideologia para outros países do Oriente Médio, apoiando grupos de fanáticos em vários deles. Ao lado do exército regular, criou uma bem armada “Guarda Revolucionária”, com o objetivo de defender os princípios da Sharia, baseada em postulados religiosos retrógrados.

Assegura um antigo ditado: “quem com ferro fere com ferro será ferido”. Inexplicavelmente, com o passar dos anos começaram a ocorrer mortes misteriosas de altos funcionários civis e militares daquele país, especialmente entre os envolvidos em operações militares e armas nucleares.

Mais recentemente, teve início uma revolta silenciosa contra a obrigatoriedade do uso do véu, o chador, por parte das mulheres. A própria polícia, que incluía unidades encarregadas de fiscalizar a prática das normas religiosas, os chamados “guardiões da fé”, podia efetuar detenções daquelas que se recusassem a cobrir a cabeça quando saíssem à rua. Essa truculenta legião de supostos defensores da moral e dos bons costumes acaba de provocar sua primeira vítima. Uma jovem iraniana que teria sido detida por se recusar a cobrir a cabeça com o chador morreu, em circunstâncias muito mal explicadas, em uma repartição policial. Esse incidente parece ter estimulado outras jovens a se rebelar contra o obscurantismo xiita dos aiatolás, recusando-se a cobrir a cabeça e o rosto fora do ambiente doméstico. Será o fim daquele regime discricionário e violento? Não deixa de ser uma luzinha, ainda que tênue, no final desse túnel que já completou quarenta e quatro longos anos. Ainda é cedo para se avaliar o que virá pela frente para um Irã que já experimentou praticamente de tudo nessas últimas décadas. Oxalá o bom senso volte a imperar naquele país.

Foto: David Stanley (Flickr)

One thought on “Luz no fim do túnel?

  • Vani Medina

    Hola Nelson,
    fantástico texto!
    Brilhante abordagem!
    Abs.

    Resposta

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Pular para o conteúdo