Macri decreta Dia do Luto pelas vítimas da AMIA

Hoje, 18/07, faz 25 anos que ocorreu o ataque à AMIA – Associação Mutual Israelita Argentina. O maior ataque cometido contra uma comunidade judaica na América Latina.

O ataque correu em Buenos Aires em 18 de julho de 1994, matando 85 pessoas e ferindo centenas. Foi o atentado mais mortal da Argentina. O país é o lar de uma comunidade judaica de 230.000 pessoas, a maior da América Latina e sexta do mundo fora de Israel.

Na véspera do aniversário do atentado à AMIA, o presidente argentino, Mauricio Macri, assinou três decretos que foram publicados no boletim oficial do governo, relacionado ao ataque terrorista.

Um dos decretos estabelece a criação do “Registro Público de Pessoas e Entidades ligadas a atos de terrorismo e seu financiamento” (RePET). Esse registro permitiria a inclusão do movimento terrorista Hezbollah.

Embora o decreto não nomeie explicitamente o Hezbollah, o boletim declara que o registro deve ser feito como “qualquer pessoa física, pessoa jurídica ou entidade sobre a qual a Unidade de Informações Financeiras (UIF) ordenou o congelamento administrativo de ativos”. Esta seção serviria como base para o Hezbollah ser incluído neste registro. No ano passado, a Unidade de Informações Financeiras congelou ativos do chamado Clan Barakat, ligado ao Hezbollah, por suas atividades ilegais na área da Tríplice Fronteira.

No segundo decreto publicado no diário oficial, o governo argentino declara o dia 18 de julho como “El Dia de Duelo Nacional” (“Dia do Luto Nacional”) em homenagem às vítimas do ataque perpetrado há 25 anos. Neste dia, a bandeira argentina permanecerá hasteada a meio mastro em edifícios e locais públicos.

Em um terceiro decreto relacionado ao 25º aniversário do bombardeio da AMIA, o executivo decidiu definir uma compensação para algumas das vítimas do ataque. O objetivo seria compensar uma dezena de ex-funcionários da AMIA não atingidos pelas compensações que já foram pagas pelo Estado argentino.

Essas pessoas são vítimas que não receberam indenização após o vencimento do prazo de validade para solicitar essas compensações, mas o Estado argentino levou em conta que “algumas vítimas desse grupo têm problemas de saúde e uma idade avançada”, por isso decretou “garantir que aquelas pessoas que ainda não se beneficiaram do benefício extraordinário mencionado, podem fazê-lo sem mais demora “.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *