Manifestantes se reúnem em frente à casa de Bibi

Manifestantes se reuniram, na noite de segunda-feira, em frente à residência do primeiro-ministro em Jerusalém pedindo que Benjamin Netanyahu continue a operação militar contra o Hamas até que o grupo terrorista seja esmagado e para conter o motim que eclodiu em cidades mistas de judeus e árabes em Israel.

A manifestação contou com a presença de muitos residentes de cidades árabes-judaicas mistas, organizada por Im Tirtzu, My Israel, Ramle Residents Headquarters, Lod Community, Nachala, Choosing Life Forum of Bereaved Families e Otef Ha’Tachana Ha’Mercazit no sul de Tel Aviv.

O CEO da Im Tirtzu, Matan Peleg, disse aos manifestantes: “O primeiro-ministro e outros tomadores de decisão precisam entender que sua política de adiar questões graves falhou. Se não conseguirmos lidar com o Hamas, bem como com as grandes quantidades de armas ilegais nas mãos dos árabes israelenses e a “palestinização” da comunidade árabe, nos encontraremos em uma guerra civil. Se não hoje, dentro de cinco anos”.

Peleg acrescentou: “Estamos conclamando o governo a lançar uma operação destinada a confiscar todas as armas ilegais, processar todos os que participaram dos distúrbios e destruir o comando e a infraestrutura do Hamas”.

Harel Shoham, membro do conselho municipal de Ramle, disse: “Apoiamos a coexistência, mas ela não é quando um lado busca a paz e o outro faz o que quer, incluindo tiroteios, bombardeios, incêndios criminosos e lançamento de pedras. A paz não pode ser alcançada pelo perdão imaginário e pela disposição de apenas um lado de contribuir”.

LEIA TAMBÉM

Ribi Abromovitch, morador de Lod, disse: “Nós da comunidade de Ramat Eschol, em Lod, pensávamos que morávamos em um lugar que dá esperança ao país e exemplifica a convivência entre judeus e árabes. Mas vimos a verdadeira face de nossos vizinhos”.

Abromovich continuou: “A situação ainda é muito explosiva e pode pegar fogo a qualquer momento. Os árabes ainda estão acumulando armas em suas mesquitas. Do jeito que está agora, não posso deixar minhas filhas voltarem para casa! Se não houver uma operação significativa para erradicar os criminosos aqui em Lod, para confiscar as armas ilegais e para restabelecer a paz, o Estado de Israel enfrentará um grande problema”.

Sara Ha’etzni-Cohen, presidente do My Israel, disse: “O Estado de Israel abandonou os residentes das cidades mistas. Exigimos que o governo conserte essa falha, não por meio de uma solução temporária, mas por meio de um tratamento definitivo, recolhendo as armas ilegais e impondo pesadas penalidades aos desordeiros. Não vamos descansar até que nossos irmãos e irmãs possam voltar a viver pacificamente em suas casas”.

Outro grupo de manifestantes protestava contra o reinado contínuo de Netanyahu. Manifestantes acusaram Netanyahu de atribuir ilegalmente “ações de segurança sensíveis” a Israel, referindo-se a supostas escaladas recentes com o Irã que foram, de acordo com a mídia israelense, atribuídas a Israel por “fontes ocidentais”.

Eles também acusaram Netanyahu de “poluir” cerimônias estatais com comentários políticos a seu favor.

“Há um primeiro-ministro que, em nossa opinião, não pode atualmente cumprir seu papel de primeiro-ministro de ‘pleno direito’ porque uma acusação foi movida contra ele”, disse Tomer Naor, um dos advogados do Movimento pela Qualidade do Governo que entrou com a petição.

Fontes: The Jerusalem Post e Jewish Press
Foto: Tomer Neuberg (Flash90)

2 thoughts on “Manifestantes se reúnem em frente à casa de Bibi

Fechado para comentários.