Ministério da Educação quer aumentar orçamento ortodoxo

O recém-nomeado ministro da Educação, Yoav Kisch, disse que aumentar os orçamentos das instituições educacionais ultraortodoxas era sua “principal tarefa”, durante uma audiência na terça-feira, na qual 170 prefeitos israelenses e chefes de autoridades locais expressaram sua oposição aos aumentos orçamentários para instituições educacionais informais no setor ultraortodoxo.

Kisch, do Likud, ingressou na Knesset em 2015, tornou-se Ministro da Educação e Ministro da Cooperação Regional em dezembro de 2022. Ele se manifestou contra o que chamou de sistema educacional injusto. “Existem lacunas no financiamento que os prefeitos terão que cobrir. Esta questão chegará a este comitê e teremos que encontrar uma solução para isso”.

“Pode haver outras tarefas importantes, mas esta é uma das tarefas centrais mais significativas no orçamento atual”, declarou Kisch.

“A educação ortodoxa não é educação privada. Quero que cheguemos a um acordo, em todas as questões, não quero que eu esteja de um lado e vocês do outro”, declarou o líder do UTJ, Moshe Gafni, sobre o novo financiamento proposto.

Parlamentares israelenses, muitos dos quais se opõem a ala religiosa do novo governo de coalizão de Israel, protestaram contra os comentários de Kisch.

Algumas autoridades locais “já não conseguem se sustentar, e isso vai subtrair de seus orçamentos”, disse Haim Bibas, prefeito de Modi’in, que se opôs publicamente ao novo financiamento.

LEIA TAMBÉM

“Se não fizermos essa igualdade educacional de forma ampla, vamos infligir danos pelos quais teremos que arcar com a responsabilidade”, disse Bibas ao explicar que as instituições educacionais árabes independentes seriam deixadas de lado e negligenciadas se a nova regra passar.

O ex-ministro das Finanças, Avigdor Liberman, também contestou a nova medida de financiamento proposta. “Oportunidades iguais para todas as crianças significa, antes de mais nada, um currículo básico. Isso é aprender matemática, inglês e computadores. De onde virá o dinheiro?” disse Liberman.

“Aqueles que impedem a igualdade de oportunidades são as mesmas pessoas que os colocam em sistemas educacionais onde não há currículo básico”, declarou Liberman.

Fonte: The Jerusalem Post
Foto: Wikimedia Commons

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *