InternacionalNotícias

MSF ignora vítimas israelenses e o terror do Hamas

A ONG Médicos Sem Fronteira lançou uma campanha que acusa Israel não de se defender, mas de atacar.

Segundo a ONG o objetivo da campanha é sensibilizar líderes políticos mundiais a pressionar o governo israelense a interromper de maneira permanente os ataques contra a população civil, instalações médicas e pessoal médico em Gaza.

A MSF enviou uma carta aos presidentes dos países do Mercosul, que estão no Rio de Janeiro para uma reunião, para que façam tudo o que estiver ao seu alcance para assegurar um cessar-fogo imediato e permanente na Faixa de Gaza.

No Brasil, além da carta, a MSF também está promovendo uma petição para reforçar esse pedido.

A ONG Monitor, um instituto de pesquisa que promove valores democráticos e publica regularmente pesquisas baseadas em fatos e análises independentes sobre organizações não governamentais, seus financiadores e outras partes interessadas, principalmente no contexto do conflito árabe-israelense, descreve em seu site os princípios que permeiam a  Médico Sem Fronteiras, uma organização que ignora sistematicamente as vítimas israelenses e o terror do Hamas.

Médicos Sem Fronteiras (MSF) é uma ONG muito poderosa, com um orçamento anual de mais de 2 bilhões de euros. Descreve-se como uma “organização médica humanitária internacional e independente” e afirma que “observa a neutralidade e a imparcialidade em nome da ética médica universal”. Refletindo o “efeito halo” (efeito halo é a possibilidade de que a avaliação de alguma coisa possa, sob um algum viés, interferir no julgamento sobre outros importantes fatores, contaminando o resultado geral) que protege a MSF e a sua imagem como um fornecedor importante e imparcial de ajuda humanitária, a MSF é uma escolha popular para doações de caridade em Gaza. CNN, NPR, Time, Vogue, United Way, Global Citizen e outros recomendam MSF como um destino adequado para doações.

LEIA TAMBÉM

No entanto, como demonstram as campanhas políticas de MSF desde o brutal massacre do Hamas em 7 de outubro, o seu compromisso declarado com os princípios de “neutralidade e imparcialidade” não se estende a Israel. A MSF repetidamente acusou Israel, ignorou as vítimas israelenses e apagou os enormes crimes de guerra e a responsabilidade do Hamas por transformar Gaza em uma enorme base terrorista subterrânea.

A MSF também negou repetidamente que o Hamas estivesse presente nos hospitais de Gaza, alegando que “não vimos nenhuma evidência de que os edifícios hospitalares ou os complexos estejam sendo usados ​​pelo Hamas como base militar”. Ao contrário, a ONG alegou que Israel estava “atacando os cuidados de saúde”. Com base nas extensas evidências produzidas por Israel sobre a exploração sistemática do Hospital Al-Shifa e de outras instalações médicas pelo Hamas, é impossível que a equipe e os voluntários de MSF não tivessem conhecimento da realidade. O silêncio de MSF é uma traição à ética médica, aos reféns e aos civis palestinos.

Talvez o mais perturbador, e certamente relevante para aqueles que consideram uma doação à MSF, seja a admissão de um funcionário da MSF (em um webinar intitulado “Gaza: Genocídio em formação”, em 18 de outubro), de que a ONG “fez doações ao Ministério da Saúde de Gaza a partir dos nossos próprios estoques. Basicamente esvaziamos nossos estoques para dar ao Ministério da Saúde de Gaza”.

Em outras palavras, a MSF prontamente forneceu materiais a uma entidade dirigida pelo Hamas depois de este ter perpetrado o massacre em massa incompreensivelmente brutal de 7 de outubro e enquanto estava envolvido num confronto violento com Israel. Na melhor das hipóteses, isto reflete uma ingenuidade irresponsável por parte da MSF e um desrespeito deliberado pelas regulamentações antiterroristas.

Um tema recorrente nas declarações da MSF são as alegações sobre ataques a hospitais, ambulâncias e pessoal médico palestinos.

No entanto, a ONG Monitor não conseguiu identificar uma única declaração da MSF que mencionasse, e muito menos condenasse, as violações flagrantes do Hamas contra instalações médicas e profissionais de saúde israelenses desde 7 de outubro, inclusive numa clínica médica, e o ataque intencional às ambulâncias da Magen David Adom (Cruz Vermelha israelense) durante o massacre, o assassinato de médicos durante o massacre, e o lançamento de foguetes de Gaza que atingiram o Centro Médico Barzilai em Ashkelon.

O fato de a MSF ignorar os ataques palestinos às instalações médicas e aos trabalhadores israelenses faz parte de uma tendência maior da ONGG de ignorar completamente as vítimas israelenses. Dos 112 tweets da conta X da MSF, de 7 de outubro a 19 de novembro, que tratam do conflito, nenhum menciona apenas as vítimas israelenses e cinco mencionam israelenses e palestinos.

A MSF, que afirma promover princípios morais, não fez qualquer referência aos reféns detidos ilegalmente pelo Hamas em Gaza, nem fez campanha para que recebessem tratamento médico. Pelo menos uma refém estava em tratamento contra o câncer no momento do seu rapto, outra teve o braço arrancado por uma granada do Hamas no festival de música e uma terceira refém foi raptada no nono mês de gravidez e terá dado à luz em cativeiro. Nenhum deles está incluído na defesa “humanitária” da MSF.

A única condenação do Hamas veio numa declaração de 12 de outubro intitulada “A violência indiscriminada e a punição coletiva de Gaza devem cessar ”, que começava com “Médicos Sem Fronteiras (MSF) estão horrorizados com o brutal assassinato em massa de civis perpetrado pelo Hamas, e pelos ataques massivos a Gaza, à Palestina, agora perseguidos por Israel”.

Tais declarações isoladas refletem uma equivalência imoral entre o assassinato deliberado em massa de civis pelo Hamas e as ações tomadas por Israel para proteger os seus cidadãos, ao mesmo tempo que respeita as leis do conflito armado e procura evitar danos aos civis.

Numerosas declarações da MSF e postagens nas redes sociais fazem referência a supostos ataques israelenses a hospitais, ambulâncias e outras instalações médicas. Na narrativa de demonização da MSF, este é um “ataque implacável ao sistema de saúde de Gaza”. Um funcionário da MSF, “Sohaib Safi, coordenador médico da MSF em Gaza”, disse à Al Jazeera que havia “evidências muito claras” de que a ajuda médica no enclave estava sendo atacada intencionalmente pelas forças israelenses”. Nenhuma evidência desse tipo foi fornecida, refletindo a consistente falta de credibilidade da MSF.

Durante a segunda semana de novembro, quando as forças israelenses convergiram para o Hospital Al-Shifa e para o complexo de túneis e para o centro de comando do Hamas abaixo das instalações, as condenações da MSF a Israel se intensificaram. A MSF acusou as FDI de assinar “a sentença de morte para civis atualmente presos no hospital Al-Shifa”. Ao mesmo tempo, a MSF não fez menção ao fornecimento de combustível, equipamento médico e incubadoras por Israel ao hospital.

O Hamas e outros grupos terroristas baseados em Gaza, por outro lado, não aparecem nas contas  nas mídias sociais da MSF. A MSF não nomeia nem condena o Hamas por conduzir suas operações militares dentro, embaixo e perto de hospitais e outras instalações médicas. O grupo não condena a colocação da extensa rede de túneis do Hamas sob hospitais e clínicas médicas. A MSF não condena o Hamas e outros grupos terroristas por usarem ambulâncias para transportar ilegalmente combatentes e armas, na tentativa de protegê-los de detecção e ataque e não condena o Hamas por manter reféns nos hospitais de Gaza.

Estas ações do Hamas são todas violações flagrantes das leis da guerra, relacionadas com a medicina e a saúde. E todas elas são necessárias para compreender que as respostas militares israelenses ao terrorismo em massa são inteiramente consistentes com o direito internacional, incluindo aquelas conduzidas dentro e em torno de instalações médicas. Mas a campanha de propaganda dos MSF ignora estas dimensões básicas.

Um fenômeno relacionado ocorre com as repetidas alegações de MSF de “bombardeios indiscriminados”, “ataques indiscriminados”, “derramamento de sangue indiscriminado” e “violência indiscriminada”.

De acordo com MSF, o Hamas e a sua infraestrutura terrorista, embutida dentro e por baixo de edifícios civis, aparentemente não existem em Gaza. Nesta falsa narrativa, Israel ou visa deliberadamente instalações médicas ou indiscriminadamente todo o resto. A eliminação do controle total exercido pela organização terrorista Hamas em Gaza é imoral e uma forma de desinformação.

Em diversas declarações, a MSF usa uma retórica extrema que classifica Israel como o autor dos piores crimes. Por exemplo, em 17 de outubro, a MSF acusou falsamente Israel do “bombardeio ao Hospital Ahli Arab”, repetindo a propaganda do Hamas relativamente ao número de mortos e chamando-o de “um massacre”. Isto foi rapidamente determinado como sendo um libelo de sangue, depois de provas definitivas terem mostrado que o ataque foi causado por um foguete da Jihad Islâmica Palestina que falhou.

Num comunicado de imprensa de 28 de outubro a MSF diz, “é necessário um cessar-fogo imediato em Gaza para parar o derramamento de sangue”. A MSF alegou que Israel tinha cometido uma “atrocidade numa escala nunca vista antes em Gaza” e “violência indiscriminada desencadeada sobre um povo indefeso”. Refletindo o fato de a MSF apontar Israel e a caracterização condescendente dos palestinos como “indefesos”, um cessar-fogo foi considerado urgente “para evitar mais mortes em Gaza, na Palestina” e apenas Israel tinha qualquer ingerência “para parar o derramamento de sangue”. Em nenhum momento da declaração, a MSF apelou ao Hamas para que se rendesse ou libertasse os 240 reféns, incluindo mais de 30 crianças.

A MSF também usou as expressões “violência injustificada”, “ataque horrível ” e “violência sem sentido” em referência a Israel.

A demonização envolve o topo da organização. Numa declaração de 17 de outubro diz, “a humanidade incondicional precisa ser restaurada em Gaza”. O presidente internacional da MSF, Dr. Christos Christou, condenou Israel como “desumano” e alegou um “nível flagrante de punição coletiva que está sendo aplicado atualmente ao povo de Gaza”.

Em 2022, a MSF reportou 2,16 bilhões de euros em despesas operacionais. Os doadores governamentais para a MSF são a Suíça e o Canadá.

A MSF afirma que não “aceita financiamento da UE, dos seus Estados-Membros e da Noruega em resposta às decisões da UE sobre a política de migração”.

A MSF afirma que, em 2022, gastou 20 milhões de euros na “Palestina” (o relatório financeiro de MSF não fornece uma divisão entre Gaza e Samaria e Judeia) e alega que suas atividades na região foram apoiadas por “rendas privadas e outras”, e não por “rendas institucionais públicas”. Os financiadores desta campanha são responsáveis ​​pelo abuso das suas doações.

Fonte: NGO Monitor
Foto: MSF

One thought on “MSF ignora vítimas israelenses e o terror do Hamas

  • Renato Levy

    Quanta hipocrisia !!!!!!!

    Resposta

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Pular para o conteúdo